Peregrinos judeus se retiram da fronteira ucraniana

ANÚNCIO

 Milhares de judeus hassídicos, presos na fronteira ucraniana por dias devido às restrições do coronavírus, voltaram sem chegar ao seu destino, o túmulo de um rabino venerado, disseram autoridades na sexta-feira.

Cerca de 2.000 peregrinos judeus ultraortodoxos viajaram pela Bielo-Rússia na esperança de chegar à cidade ucraniana de Uman para visitar o túmulo de Nachman de Breslov, um importante rabino hassídico que morreu em 1810.

ANÚNCIO

Comemoração do ano novo judaico

Milhares de peregrinos hassídicos visitam a cidade todo mês de setembro para o Rosh Hashaná, o ano novo judaico. 

Peregrinos judeus hassídicos se reúnem em frente aos guardas da fronteira ucraniana no posto de controle Novaya Guta perto de Novaya Guta, Bielo-Rússia, sexta-feira, 18 de setembro de 2020. Autoridades ucranianas dizem que milhares de peregrinos judeus hassídicos presos na fronteira ucraniana devido a restrições ao coronavírus começaram a virar costas. Cerca de 2.000 peregrinos judeus ultraortodoxos viajaram para a fronteira da Bielo-Rússia com a Ucrânia na esperança de viajar para a cidade ucraniana de Uman para visitar o túmulo de um importante rabino hassídico que morreu em 1810, Nachman de Breslov. (Foto AP)

É comemorado de 18 a 20 de setembro deste ano, e alguns peregrinos conseguiram chegar a Uman antes que a Ucrânia fechasse suas fronteiras no final de agosto em meio a um surto de infecções por COVID-19. 

Milhares de outras pessoas viajaram pela Bielo-Rússia, o que não impediu a entrada de visitantes estrangeiros.

ANÚNCIO

O que as autoridades da Ucrânia e da Bielo-Rússia disseram?

(Foto AP)

Na sexta-feira que os peregrinos hassídicos limparam a terra de ninguém entre os dois países, onde acamparam por vários dias, alguns dormindo em tendas improvisadas e outros no chão. Os guardas de fronteira bielorrussos disseram que menos de uma dúzia deles permanece na área.

Leia também: Grupo Indígena brasileiro comemora seis meses sem COVID-19 na Aldeia

Ao mesmo tempo, a agência de guardas de fronteira da Ucrânia disse na sexta-feira que repeliu vários peregrinos hassídicos que tentaram entrar no país vindos da Polônia, Hungria e Romênia.

Enquanto os peregrinos passavam dias presos na fronteira com a Ucrânia, a Ucrânia e a Bielo-Rússia se engajaram em discussões furiosas sobre o impasse.

(Foto AP)

Na quarta-feira, o gabinete presidencial da Ucrânia acusou as autoridades bielorrussas de enviarem sinais enganosos aos peregrinos de que eles teriam permissão para cruzar a fronteira. 

Fique por dentro: Pesquisadores da Bielorrússia descrevem fraude na eleição de 9 de agosto

Autoridades bielorrussas responderam acusando a Ucrânia de tratamento “desumano” aos peregrinos e se ofereceram para fornecer ônibus para levar os peregrinos a Uman e de volta à Bielo-Rússia.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: APNews

ANÚNCIO