A perda de gelo da Groenlândia neste século será a pior em 12.000 anos

ANÚNCIO

A perda de gelo do enorme manto de gelo da Groenlândia fará com que o nível do mar suba mais durante o século 21 do que durante qualquer período de 100 anos nos últimos 12.000 anos, mesmo se o aquecimento global for controlado, disseram os cientistas na quarta-feira.

O estudo – baseado em dados e modelos de núcleos de gelo e publicado na revista Nature – é o primeiro a reconstruir meticulosamente o registro de perda de gelo da Groenlândia durante todo o Holoceno, a época geológica que permitiu o florescimento da civilização.

ANÚNCIO

Ele descobriu que, se as emissões de gases do efeito estufa continuarem inabaláveis, o bloco de gelo com quilômetros de espessura irá liberar cerca de 36 trilhões de toneladas de massa de 2.000 a 2.100, o suficiente para elevar a linha d’água oceânica global em 10 centímetros.

main article image
Ilulissat Icefjord, Greenland. (Monica Bertolazzi/Getty Images

Até o final da década de 1990, o manto de gelo da Groenlândia estava praticamente em equilíbrio, ganhando tanta massa com a queda de neve quanto perdida no verão com o derretimento de geleiras.

Mas a aceleração da mudança climática destruiu esse equilíbrio, com a perda líquida fluindo para o Atlântico Norte.

ANÚNCIO

Leia também: O número global de mortes causadas pelo Coronavírus já ultrapassou um milhão de pessoas

A única camada de gelo do hemisfério norte, em última análise, contém água congelada suficiente para elevar o mar em sete metros.

Se fosse passar um “ponto crítico” de temperatura para um declínio irreversível – um limiar que poderia ser tão baixo quanto dois graus Celsius acima dos níveis pré-industriais – a camada de gelo provavelmente levaria milhares de anos para derreter, dizem os cientistas.

Donald Trump mostra interesse em comprar a Groelândia, mas Dinamarca diz  que ilha não está à venda - Jornal O Globo
Foto: (Reprodução/ Internet).

Mas, mesmo no curto prazo, os aumentos no nível do mar medidos em dezenas de centímetros devastarão as comunidades costeiras em todo o mundo.

As áreas que atualmente abrigam 300 milhões de pessoas – principalmente em países mais pobres – estarão vulneráveis até 2050 a enchentes regulares de tempestades, mostraram pesquisas anteriores.

Correção de curso necessária

No ano passado, a Groenlândia lançou mais de 500 bilhões de toneladas de gelo e água derretida – 40% do aumento total do nível do mar em 2019 e o máximo em um único ano desde que os registros de satélite começaram em 1978.

Fique por dentro: Fenômeno de escurecimento das florestas árticas vinculadas ao legado da cidade mais poluída da Rússia

A menos que a humanidade reduza drasticamente a poluição de carbono causada pela queima de combustíveis fósseis, tais níveis podem se tornar o “novo normal”, disse o autor principal Jason Briner, professor de geologia da Universidade de Buffalo, em Nova York.

Degelo pode liberar dejetos radioativos enterrados sob o gelo da Groelândia  - 05/08/2016 - UOL Notícias
Foto: (Reprodução/ Internet).

Não importa quais serão as futuras emissões de carbono, a camada de gelo da Groenlândia perderá mais gelo neste século do que mesmo durante o período mais quente dos últimos 12.000 anos“, disse ele à AFP.

“Mas também me dá esperança saber que a humanidade tem uma palavra a dizer no futuro da Groenlândia e nos níveis globais do mar.”

Leia também: Este adesivo experimental pode verificar sem dor seus níveis de glicose, dizem os cientistas

O primeiro registro único e contínuo da perda do manto de gelo da Groenlândia levou cinco anos para ser montado e exigiu os esforços combinados de cientistas do núcleo de gelo, modeladores do clima, especialistas em sensoriamento remoto e pesquisadores paleoclimáticos.

A linha do tempo de 12.000 anos torna possível separar melhor as flutuações naturais no balanço de massa do bloco de gelo com o impacto da mudança climática causada pelo homem.

Leia também: Recém-criado, Enzyme Hybrid é seis vezes melhor para devorar plástico

Limitar o aquecimento global a menos de dois graus Celsius – a meta fundamental do Acordo de Paris de 2015 – limitaria a contribuição da Groenlândia para o aumento do nível do mar em cerca de dois centímetros neste século, concluiu o estudo.

Mas, em qualquer cenário, a linha de água do oceano continuará a aumentar no século 22 e além.

“Sem dúvida, veremos um aumento impactante do nível do mar neste século”, disse Briner. “Mas sem uma correção de curso agora, o aumento do nível do mar no próximo século pode mudar a vida de grande parte do globo.”

Chuva substitui neve na Gronelândia e aumenta degelo
Foto: (Reprodução/ Internet).

Até 2000, o principal fator para o aumento do nível do mar era o derretimento das geleiras e a expansão da água do oceano à medida que se aquecia.

Leia também: A primeira pessoa a ser curada do HIV nos deixou, por conta do câncer

Mas, nas últimas duas décadas, os mantos de gelo do mundo sobre a Groenlândia e a Antártica se tornaram a maior fonte de elevação do nível do mar.

O painel consultivo de ciências climáticas da ONU, o IPCC, previu um aumento do nível do mar em todas as fontes, de pouco menos de um metro até o final do século.

© Agence France-Presse

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert

ANÚNCIO