Veja como os ovos de tartaruga falsos estão ajudando os cientistas a combater o crime na Costa Rica

ANÚNCIO

Bebês recém-nascidos de tartarugas marinhas, lutando para se livrar da areia que escondia o ninho para fazer a trilha traiçoeira até a água, enquanto aves marinhas predadoras esperam para se banquetear com os vulneráveis ​​recém-nascidos.

imagem do artigo principal
Uma tartaruga verde bebê. (Chalabala / iStock / Getty Images).

Você quer torcer enquanto eles alcançam as ondas, tendo passado pela primeira prova de suas novas vidas.

ANÚNCIO

Mas na América Central, não é o primeiro julgamento. Muitos ovos de tartarugas marinhas – mais de 90%, em algumas praias – nem chegam a eclodir. 

Veja também: Podemos finalmente saber o que a vida na Terra respirava antes que houvesse oxigênio

Eles são colhidos por caçadores ilegais e traficados para cidades, onde serão alimentados como uma iguaria para um dos predadores mais perigosos da Terra  – os humanos.

Uma nova ferramenta pode ajudar a acabar com essa prática que prejudica as espécies vulneráveis. Os pesquisadores esconderam dispositivos GPS em ovos de tartaruga falsos para rastrear a jornada do caçador à mesa e, no primeiro teste da tecnologia, funcionou totalmente.

ANÚNCIO

Leia também: Uma analise do COVID-19, com mortes próximas a um milhão

Nossa pesquisa mostrou que colocar uma isca em um ninho de tartaruga não danificou os embriões incubados e que as iscas funcionam“, disse a bióloga Helen Pheasey, da Universidade de Kent, no Reino Unido.

Ovos de tartaruga são retirados da Barra e levados ao projeto Tamar –  Subúrbio News
Foto: (Reprodução/ Internet).

“Nós mostramos que era possível rastrear ovos retirados ilegalmente da praia até o consumidor final, como mostrado por nosso caminho mais longo, que identificou toda a cadeia de comércio cobrindo 137 quilômetros (85 milhas).”

A ideia dos ovos chamariz, batizados de InvestEGGator, foi concebida há alguns anos em resposta ao Desafio Tecnológico de Crimes de Vida Selvagem da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID), para detectar rotas de trânsito de tráfico de vida selvagem.

Em cartaz: o nascimento das tartarugas-da-Amazônia | WWF Brasil
Foto: (Reprodução/ Internet).

Os cientistas vêm usando iscas para “espionar” animais há algum tempo – como robôs em forma de pinguim na Antártica, um gorila bebê falso na África, até, sim, ovos. Eles permitem que os cientistas estudem o comportamento animal em seu habitat natural, com a guarda baixa.

Inspirado por programas de crime na TV, a cientista conservacionista Kim Williams-Guillen com Paso Pacifico pensou que, se a isca fosse convincente o suficiente, eles poderiam fazer o mesmo com traficantes de vida selvagem.

papel de ovo
(Pheasey et al., Current Biology, 2020)

Para testar a tecnologia, a equipe colocou 101 iscas realistas em ninhos de tartarugas marinhas em quatro praias da Costa Rica – globos impressos em 3D na forma de ovos de tartaruga, pintados para parecer realistas e equipados com dispositivos GPS, configurados para emitir um sinal uma vez por hora. 

Leia também: Em plena pandemia do Coronavírus. Você sabe o que é uma pandemia?

Geralmente, um ovo por ninho foi implantado, já que os caçadores geralmente levam a ninhada inteira.

Destas iscas, cerca de 25% foram removidas quando a embreagem foi roubada ilegalmente da praia. As iscas restantes foram deixadas em suas garras; quando os pesquisadores verificaram esses ninhos, os outros ovos eclodiram normalmente, indicando que as iscas não prejudicam os ovos reais.

ovo falso
(Paso Pacifico)

A partir dos ovos roubados, os pesquisadores foram capazes de rastrear cinco embreagens traficadas – três da vulnerável tartaruga marinha verde oliva (Lepidochelys olivacea) e duas da tartaruga verde ameaçada de extinção (Chelonia mydas).

O objetivo não era encontrar os caçadores ilegais removendo os ovos de seus ninhos, mas acompanhar a cadeia de suprimentos para descobrir onde eles vão parar e como. 

Fique por dentro: Cientistas encontraram a molécula que permite que as bactérias “exalem” eletricidade

O caminho mais curto que um dos ovos percorreu era a vizinhança de uma propriedade residencial. Outro foi rastreado cerca de dois quilômetros (1,24 milhas) da praia até um bar local.

A distância mais longa foi de 137 quilômetros – o ovo foi rastreado por dois dias até um cais de carregamento de supermercado no Vale Central da Costa Rica. De lá, ele fez seu caminho para uma casa.

Brunno89r: Sonhos com... Ovos de Tartaruga!?
Foto: (Reprodução/ Internet).

Como os ovos de tartaruga marinha não são vendidos em supermercados, mas de porta em porta, os pesquisadores presumiram que o cais de carga era apenas o ponto de passagem entre o traficante e o vendedor.

Até os ovos de isca que não funcionaram conforme planejado começaram a se mostrar úteis. Um ovo ficou offline perto da cidade de Cariari, a 43 quilômetros (27 milhas) do ninho. 

Leia também: As maravilhosamente excêntricas plantas carnívoras do mundo estão com mais problemas do que imaginávamos

Posteriormente, foram enviadas à equipe fotos do ovo dissecado, além de informações sobre o ponto de venda (próximo ao Parque Nacional Tortuguero) e quantos ovos foram vendidos.

Projeto Tamar faz hoje soltura de tartarugas no Farol de São Tomé - CDL  Campos
Foto: (Reprodução/ Internet).

Essas são boas e más notícias. A boa notícia é que a comunidade local está disposta a compartilhar informações sobre o tráfico de ovos de tartaruga. 

Mas, sua disposição para fazer isso indica que eles não acham grande coisa roubar e comer ovos de tartaruga – o que significa que pará-lo será uma batalha difícil.

Fique por dentro: O fungo histórico que deu ao mundo a penicilina teve seu genoma sequenciado

Isso não é surpreendente. Os humanos comem ovos de tartarugas marinhas há muito tempo. 

Mas os humanos são muito mais numerosos do que antes, e as tartarugas marinhas, muito menos. A caça furtiva e o tráfico sem se preocupar com esse fato são, em última análise, insustentáveis.

A pesquisa foi publicada na Current Biology.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais
.

Fonte: ScienceAlert

ANÚNCIO