Os pesquisadores acabam de estabelecer um novo recorde para a velocidade mais rápida da Internet de todos os tempos

ANÚNCIO

A internet transformou muitas áreas de nossas vidas nas últimas décadas, e a tecnologia continua melhorando: os pesquisadores acabaram de estabelecer um novo recorde para as taxas de transmissão de dados, registrando uma velocidade incrível de 178 terabits por segundo (Tbps).

Isso é cerca de um quinto mais rápido do que o recorde anterior, estabelecido por uma equipe de pesquisadores no Japão, e quase duas vezes mais rápido que a melhor internet disponível hoje.

ANÚNCIO

Com filmes 4K de cerca de 15 GB de tamanho, você poderia baixar cerca de 1.500 deles em um único segundo na nova velocidade.

Isso poderia ser mais do que apenas um experimento de laboratório super-rápido – a tecnologia usada para atingir o recorde de 178 Tbps pode ser adicionada aos tubos de fibra óptica existentes com relativa facilidade, de acordo com os cientistas por trás do projeto.

A Internet de hoje é construída em rotas de fibra óptica que usam amplificadores para impedir a degradação dos sinais de luz.

imagem do artigo principal
(MirageC / Moment / Getty Images)

Adicionar a nova tecnologia aos amplificadores existentes, espaçados em torno de 40-100 quilômetros (25-62 milhas), exigiria uma fração dos gastos que seriam necessários para substituir a fibra real, dizem os pesquisadores.

ANÚNCIO

A engenheira eletrônica e elétrica Lidia Galdino, da University College London, no Reino Unido nos deu maiores explicações:

Embora as atuais interconexões de data center em nuvem de última geração sejam capazes de transportar até 35 terabits por segundo, estamos trabalhando com novas tecnologias, fazendo melhor uso da largura de banda da fibra óptica e permitindo uma taxa de transmissão recorde mundial de 178 terabits por segundo

Para atingir essa velocidade recorde, a equipe usou uma gama muito mais ampla de comprimentos de onda (cores de luz) do que os normalmente usados ​​para transmitir dados.

O sistema personalizado usava uma largura de banda de 16,8 terahertz (THz) em um núcleo de fibra única, quatro vezes os 4,5 THz usados ​​pela maioria de nossa infraestrutura de rede atual.

Os paradoxos da Sociedade Informacional e os limites da ...
Foto: (reprodução/internet)

Esse aumento de largura de banda também exigiu um aumento da potência do sinal e várias técnicas de amplificador diferentes são combinadas neste caso.

O sistema híbrido gerencia as propriedades de cada comprimento de onda individual cuidadosamente, usando um processo chamado modelagem de constelação para otimizar as transmissões de sinal e evitar interferências.

A combinação dessas técnicas significa que muito mais informações podem ser empacotadas no mesmo espaço e transmitidas mais rapidamente, sem que as informações se tornem ilegíveis ao longo do caminho.

O novo registro de 178 Tbps está empurrando os limites teóricos do que uma rede de transferência de dados pode suportar.

web rápida
Lidia Galdino no trabalho. (James Tye / UCL)

Essa ideia de espremer mais informações através dos canos existentes é uma que muitos cientistas estão explorando , tentando encontrar o equilíbrio entre obter dados deslocados como fótons de luz mais rapidamente, sem que esses fótons interfiram uns com os outros.

Se essas atualizações puderem se encaixar na infraestrutura existente, tanto melhor.

Claro, com uma pandemia global forçando muitos de nós a trabalhar e se socializar pela internet em vez de cara a cara, a necessidade de velocidades mais rápidas e maior largura de banda nunca foi tão atual – particularmente com cerca de 40 por cento da população mundial ainda estar conectado.

Saiba a importância de um provedor de internet de confiança
Foto: (reprodução/internet)

Independentemente da crise do COVID-19 , o tráfego de internet aumentou exponencialmente nos últimos 10 anos e todo esse crescimento na demanda de dados está relacionado à queda do custo por bit”, diz Galdino.

“O desenvolvimento de novas tecnologias é crucial para manter essa tendência de redução de custos e, ao mesmo tempo, atender às demandas futuras de taxas de dados que continuarão a aumentar, com aplicativos ainda impensados ​​que transformarão a vida das pessoas.”

A pesquisa foi publicada na IEEE Photonics Technology Letters.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert

ANÚNCIO