Os mistérios da perda do cheiro de COVID finalmente fornecem algumas respostas

ANÚNCIO

Estima-se que 80% das pessoas com COVID-19 têm distúrbios de olfato e muitos também têm disgeusia ou ageusia (uma alteração ou perda do paladar, respectivamente) ou alterações na quimestesia (a capacidade de sentir irritantes químicos, como pimenta malagueta). 

A perda do olfato é tão comum em pessoas com a doença que alguns pesquisadores recomendaram seu uso como um teste diagnóstico, porque pode ser um marcador mais confiável do que febre ou outros sintomas.

ANÚNCIO

Um mistério persistente é como o novo coronavírus rouba de suas vítimas esses sentidos. 

Os mistérios da perda do cheiro de COVID finalmente fornecem algumas respostas
Foto: (Reprodução/ Internet)

No início da pandemia, médicos e pesquisadores temiam que a anosmia relacionada ao COVID pudesse sinalizar que o vírus chegava ao cérebro pelo nariz, onde poderia causar danos graves e duradouros. 

Leia também: Saiba como se preparar para as perguntas de entrevista de emprego em plena pandemia

ANÚNCIO

Uma rota suspeita seria por meio dos neurônios olfatórios que detectam odores no ar e transmitem esses sinais ao cérebro. Mas estudos têm mostrado que este provavelmente não é o caso.

Como o COVID-19 altera o olfato e paladar dos pacientes?

Os mistérios da perda do cheiro de COVID finalmente fornecem algumas respostas
Foto: (Reprodução/ Internet)

O momento sugere que a fonte primária de insulto está, na verdade, no nariz, no epitélio nasal. Parece que o vírus ataca, predominantemente, células de suporte e células-tronco, e não neurônios diretamente. Mas esse fato não significa que os neurônios não possam ser afetados.

Fique por dentro: A pandemia revelou como a obesidade pode prejudicar o corpo, mesmo a curto prazo

Os neurônios olfatórios não possuem receptores da enzima conversora de angiotensina 2 (ACE2), que permitem a entrada do vírus nas células, em sua superfície. Mas as células sustentaculares, que sustentam os neurônios olfatórios de maneiras importantes, são cravejadas de receptores. 

Os mistérios da perda do cheiro de COVID finalmente fornecem algumas respostas
Foto: (Reprodução/ Internet)

Essas células mantêm o delicado equilíbrio dos íons de sal no muco, do qual os neurônios dependem para enviar sinais ao cérebro. Se esse equilíbrio for interrompido, pode levar ao desligamento da sinalização neuronal – e, portanto, do cheiro.

Saiba mais: É seguro ficar em hotéis durante a pandemia?

As células sustentaculares também fornecem o suporte metabólico e físico necessário para sustentar os cílios semelhantes a dedos nos neurônios olfatórios, onde os receptores que detectam odores estão concentrados.

A ruptura do epitélio olfatório pode explicar a perda do olfato. Ainda não está claro se o dano é causado pelo próprio vírus ou células do sistema imunológico invasoras.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: Scientif American

ANÚNCIO