ONU alerta aumento da ‘cybertortura’ para contornar proibição à tortura física

ANÚNCIO

Relator adverte contra banalizar tortura psicológica, enquanto Estados exploram a Internet para atingir indivíduos

A tortura psicológica está sendo explorada pelos estados para contornar a proibição mais amplamente compreendida de infligir dor fisicamente e pode abrir caminho para um futuro de “cybertortura”, disse o relator de tortura da ONU.

ANÚNCIO

Nils Melzer, professor de direito internacional da Universidade de Glasgow e relator especial da ONU sobre tortura e outros tratamentos ou punições cruéis, desumanos ou degradantes, alerta que a Internet pode ser usada sistematicamente para atingir indivíduos remotamente – através de “intimidação, assédio, vigilância, vergonha pública e difamação ”.

Um crítico ardiloso do fracasso do governo do Reino Unido em realizar uma investigação sobre a entrega de suspeitos de jihadistas após 11 de setembro, Melzer também manifestou preocupação com o tratamento do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, na prisão de Belmarsh.

No final deste mês, o professor, suíço, apresentará um relatório ao Conselho de Direitos Humanos da ONU em Genebra, destacando sua preocupação com o “desenvolvimento contínuo de torturas psicológicas e concepções legais erradas sobre qual conduta é proibida por tratado internacional”.

ANÚNCIO

Seus comentários coincidem com o lançamento no Reino Unido de um documentário, Eminent Monsters: “A Manual for Modern Torture”, que investiga o financiamento secreto da CIA nos anos 50 em técnicas desenvolvidas pelo psiquiatra escocês Dr. Ewen Cameron.

O documentário, dirigido pelo realizador vencedor do Bafta, Stephen Bennett, mostra como os pacientes foram submetidos a privações sensoriais, coma forçado, injeções de LSD e tortura física e mental extrema em um estabelecimento de pesquisa canadense administrado por Cameron.

Essas técnicas, afirmam os documentos, foram precursoras dos métodos usados ​​nos chamados “homens encapuzados” que foram submetidos a ruído branco, colocados em posições de estresse, ameaçados e privados de sono, comida e água, e espancados após serem presos durante o internamento. na Irlanda do Norte em 1971. Técnicas semelhantes foram posteriormente infligidas pelas forças americanas a suspeitos de jihadistas detidos na Baía de Guantánamo.

Em um julgamento de 2018 após a reabertura do caso dos homens encapuzados, o tribunal europeu de direitos humanos reafirmou que o abuso dos 14 homens quase 50 anos antes representava tratamento desumano e degradante, mas não constituía tortura.

Melzer argumenta que essa distinção está errada. “Os juízes pensam que a tortura física é mais grave que o tratamento cruel, desumano ou degradante”, disse ele ao Guardian. “A tortura é simplesmente a instrumentalização deliberada da dor e do sofrimento.” Consequentemente, os métodos de tortura psicológica são frequentemente usados ​​”para contornar a proibição da tortura porque eles não deixam marcas visíveis”.

Em seu relatório da ONU, Melzer salienta que muitos países negam, negligenciam, interpretam mal ou banalizam a tortura psicológica como o que poderia ser eufemisticamente descrito como ‘luz de tortura’, enquanto ‘tortura real’ ainda é predominantemente entendida como exigindo a imposição de dor física ou sofrimento.

Fonte: The Guardian.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais.

ANÚNCIO