A OMS pede uma resposta mais ousada contra a nova variante do coronavírus

ANÚNCIO

A filial europeia da Organização Mundial da Saúde disse na quinta-feira que mais precisa ser feito para lidar com a situação alarmante provocada pelas variantes recentemente descobertas do novo coronavírus.

O diretor regional da OMS para a Europa, Hans Kluge, chamou a situação atual de “um ponto crítico no curso da pandemia“.

ANÚNCIO

Enquanto o novo ano “traz consigo novas oportunidades e ferramentas“, como vacinas, a Europa também é desafiada pelo aumento de casos e novas cepas do vírus que causa COVID-19.

A OMS pede uma resposta mais ousada contra a nova variante do coronavírus
Foto: (Reprodução/ Internet).

“Esta é uma situação alarmante, o que significa que por um curto período de tempo precisamos fazer mais do que temos feito e intensificar as medidas de saúde pública e sociais para termos certeza de que podemos aplainar a linha vertical íngreme em alguns países”, disse Kluge, referindo-se principalmente à nova variante descoberta pela primeira vez no Reino Unido.

Leia também: As vacinas COVID-19 podem não funcionar tão bem contra uma variante sul-africana

ANÚNCIO

Embora seja natural que os vírus mudem com o tempo e não se acredite que a variante cause sintomas mais graves, sua “maior transmissibilidade” significa que ainda causa preocupação, de acordo com a OMS Europa.

Medidas para iniciar 2021 com soluções

Essas medidas, juntamente com testes adequados, quarentena, isolamento e vacinação, “funcionarão se todos nós nos envolvermos”.

As primeiras indicações também sugerem que as vacinas contra COVID-19 são eficazes contra a variante britânica, de acordo com a OMS.

A OMS pede uma resposta mais ousada contra a nova variante do coronavírus
Foto: (Reprodução/ Internet).

Questionada sobre se as novas variantes justificaram o fechamento de escolas como muitos países fizeram na primavera, a organização disse que deveria ser considerada apenas um último recurso.

A escola deve ser a última a fechar e a primeira a abrir”, disse Catherine Smallwood, oficial sênior de emergência da OMS na Europa.

Ela acrescentou que, independentemente de haver uma variante envolvida ou não, o fechamento das escolas deve permanecer na caixa de ferramentas das autoridades para retardar a disseminação do vírus.

De onde veio isso?

A variante é excepcionalmente altamente mutada.

A explicação mais provável é que a variante surgiu em um paciente com sistema imunológico enfraquecido, incapaz de vencer o vírus.

Leia também: O uso de um umidificador pode reduzir suas chances de contrair COVID-19

Em vez disso, seu corpo se tornou um terreno fértil para o vírus sofrer mutação.

O vírus foi detectado pela primeira vez em setembro. Em novembro, cerca de um quarto dos casos em Londres eram a nova variante. Isso atingiu quase dois terços dos casos em meados de dezembro. O dado citado pelo primeiro-ministro Boris Johnson é que a variante pode ser até 70% mais transmissível.

A OMS pede uma resposta mais ousada contra a nova variante do coronavírus
Foto: (Reprodução/ Internet).

A região europeia da OMS compreende 53 países e inclui a Rússia e vários países da Ásia Central, e 22 países da região registraram casos das novas variantes.

De acordo com as estimativas da organização, as novas cepas podem substituir outras em toda a região.

Veja também: O que fazer quando recebermos a vacina contra a COVID-19?

A Europa foi duramente atingida pela pandemia COVID-19, com mais de 27,6 milhões de casos e 603.000 mortes, de acordo com o monitoramento da OMS.

Para 2020, houve cerca de 313.000 mortes acima do que seria esperado nos 27 países que participam da rede de monitoramento de mortalidade excessiva da OMS Europa.

As vacinas funcionarão contra a nova variante?

A OMS pede uma resposta mais ousada contra a nova variante do coronavírus
Foto: (Reprodução/ Internet).

Quase certamente sim, ou pelo menos por enquanto.

Todas as três vacinas principais desenvolvem uma resposta imunológica contra o pico existente, razão pela qual a questão surge.

Saiba mais: O caso das grandes cidades em um mundo pós-pandemia

As vacinas treinam o sistema imunológico para atacar várias partes diferentes do vírus, portanto, mesmo que parte do pico tenha sofrido mutação, as vacinas ainda devem funcionar.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert  e BBC News

ANÚNCIO