O aumento das temperaturas está empurrando a Antártica para um ponto sem retorno, alertam cientistas

ANÚNCIO

O aumento da temperatura média da superfície da Terra em mais um grau Celsius resultará em 2,5 metros de aumento do nível do mar somente na Antártica e em três graus extras o continente congelado elevará os oceanos 6,5 metros, alertaram os cientistas na quarta-feira.

Esses aumentos devastadores na linha de água global – o suficiente para paralisar cidades costeiras de Mumbai a Miami e deslocar centenas de milhões de pessoas – se desdobrariam ao longo de centenas a milhares de anos.

ANÚNCIO

Mas as emissões de gases de efeito estufa causadas pelo homem que poderiam garantir tal resultado estão a caminho de ocorrer em uma escala de tempo medida em décadas.

main article image
(abriendomundo/iStock)

Uma das conclusões mais alarmantes do estudo é que as elevações no nível do mar causadas por uma camada de gelo antártica em desintegração – que contém água congelada suficiente para aumentar os oceanos em 58 metros – se tornariam dramaticamente maiores a cada grau adicional de aquecimento.

O aumento do nível do mar, por exemplo, seria em média de cerca de 1,3 metros (quatro pés) para cada um dos primeiros dois graus acima dos níveis pré-industriais.

ANÚNCIO

Leia também: Há uma preocupação crescente COVID-19 pode desencadear uma onda de doença de Parkinson

A temperatura média da superfície da Terra já subiu um grau desde o final do século 19, o suficiente para aumentar a severidade das ondas de calor mortais, secas e ciclones tropicais.

Mas de 2C a 6C acima dessa referência, o aumento do nível do mar dobraria para 2,4 metros por grau de aquecimento.

No limite superior dessa faixa, as mudanças climáticas devastariam a civilização e redesenhariam o mapa das costas do mundo, dizem os cientistas.

Veja também: Cientistas descobrem que o sono pode afetar na nossa felicidade

Além disso, cada grau adicionado resultaria em mais 10 metros, empurrando todo o manto de gelo além do ponto sem retorno e elevando os oceanos a níveis não vistos há milhões de anos.

Uma ‘ameaça existencial’

O manto de gelo no topo da Antártica Ocidental será o primeiro a desaparecer, erodido não tanto pelo ar quente, mas pela água do mar quente escorrendo por baixo da barriga das geleiras e erodindo suas bordas voltadas para o oceano, conhecidas como plataformas de gelo.

Why Are Glaciers Melting from the Bottom? It's Complicated - Scientific  American

Este processo já criou rios furiosos de água derretida na camada de gelo da Groenlândia, que viu uma perda líquida de mais de meio trilhão de toneladas em massa só no ano passado.

O tratado de 2015 ordena que as nações limitem o aquecimento global a “bem abaixo” de 2C e 1,5C, se possível.

Leia também: Círculos misteriosos no deserto explicados pela teoria de Alan Turing de 70 anos atrás

Mesmo um mundo 2C “representa uma ameaça existencial para estados-nação inteiros”, disse Jonathan Bamber, professor de glaciologia da Universidade de Bristol, ao Science Media Center, comentando o estudo.

© Agence France-Presse

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte:  ScienceAlert

 

ANÚNCIO