Líder da Bielo-Rússia visita a Rússia para garantir apoio em meio a protestos

ANÚNCIO

O presidente autoritário da Bielo-Rússia visitou a Rússia na segunda-feira em uma tentativa de garantir mais empréstimos e apoio político, quando as manifestações contra a extensão de seu governo de 26 anos entraram em sua sexta semana.

As conversas de Alexander Lukashenko com o presidente russo Vladimir Putin no resort de Sochi, no Mar Negro, ocorrem um dia depois que cerca de 150.000 pessoas inundaram as ruas da capital bielorrussa, exigindo a renúncia de Lukashenko.

ANÚNCIO

O Ministério do Interior disse que 774 pessoas foram presas em Minsk e outras cidades da Bielo-Rússia por realizar manifestações não sancionadas no domingo.

Manifestantes na Bielo-Rússia rejeitaram a reeleição de Lukashenko para um sexto mandato na votação de 9 de agosto.

O presidente da Bielo-Rússia, Alexander Lukashenko, cumprimenta as autoridades ao chegarem ao resort de Sochi, na Rússia, no Mar Negro, na segunda-feira, 14 de setembro de 2020. O presidente autoritário da Bielo-Rússia, Lukashenko, está visitando Sochi para conversas com o presidente russo, Vladimir Putin, um dia depois de cerca de 150 mil inundações as ruas da capital bielorrussa, exigindo a renúncia de Lukashenko. (Andrei Stasevich / BelTA Pool Photo via AP)

Os Estados Unidos e a União Europeia criticaram a eleição como nem livre nem justa e instaram o líder bielorrusso a dialogar com a oposição, exigência que ele rejeitou.

Em uma tentativa de ganhar o apoio de Moscou, o ex-diretor de fazenda estatal de 66 anos tentou lançar os protestos como um esforço do Ocidente para isolar a Rússia, que vê o vizinho como um baluarte principal contra a Otan e um importante canal de energia exportações para a Europa.

ANÚNCIO

A Rússia e a Bielo-Rússia têm um tratado de união que prevê estreitos laços políticos, econômicos e militares, mas frequentemente se envolvem em disputas acirradas.

Fique por dentro: Pesquisadores da Bielorrússia descrevem fraude na eleição de 9 de agosto

Antes da eleição, Lukashenko acusou repetidamente o Kremlin de pressionar a Bielo-Rússia a abandonar sua independência.

Uma mulher vestida de branco em frente a uma linha da polícia de choque durante uma manifestação de apoiadores da oposição bielorrussa protestando contra os resultados oficiais da eleição presidencial em Minsk, Bielo-Rússia, domingo, 13 de setembro de 2020. Protestos pedindo a renúncia do presidente bielorrusso estouraram diariamente desde a eleição presidencial de 9 de agosto que, segundo as autoridades, lhe conferiu um sexto mandato. (TUT.by via AP)

Mas com os Estados Unidos e a União Europeia criticando a eleição e preparando um pacote de sanções, Lukashenko agora tem que contar diretamente com o apoio da Rússia.

Apesar dos atritos no passado, o Kremlin abomina a perspectiva de protestos públicos forçando a renúncia do líder da nação, temendo que isso pudesse encorajar os críticos de Putin em casa.

Leia também: Mulheres formam ‘cadeias de solidariedade’ na Bielorrússia para protestar contra resultado eleitoral contestado

Putin rapidamente felicitou Lukashenko por sua reeleição e prometeu enviar a polícia russa à Bielo-Rússia se os protestos lá se tornassem violentos, observando que ainda não há necessidade disso.

Manifestantes marcham durante um comício de partidários da oposição em Minsk, Bielo-Rússia, domingo, 13 de setembro de 2020. Protestos pedindo a renúncia do presidente bielorrusso estouraram diariamente desde a eleição presidencial de 9 de agosto, que autoridades dizem que lhe conferiram um sexto mandato. (Tut.by via AP)

Moscou também sinalizou que está pronta para discutir a reestruturação da dívida de US $ 1 bilhão da Bielo-Rússia com a Rússia, uma questão-chave nas negociações de segunda-feira entre Putin e Lukashenko.

Fique por dentro: Eleições na Bielo-Rússia: Reino Unido recusa-se a reconhecer o resultado e exige investigação internacional sobre a ‘repressão terrível’ dos protesto

Sviatlana Tsikhanouskaya, o principal oponente da oposição que se mudou para a Lituânia um dia após a votação sob pressão das autoridades, advertiu Putin que quaisquer acordos que ele possa chegar a Lukashenko não serão mantidos.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: APNews

ANÚNCIO