Líder da Bielo-Rússia cita suposta ameaça da OTAN para reforçar o governo

ANÚNCIO

O líder autoritário da Bielo-Rússia acusou a OTAN na sexta-feira de traçar planos agressivos e ameaçou os vizinhos Lituânia e Polônia com contra-sanções enquanto tentava reforçar seu governo de 26 anos em meio a semanas de manifestações contra sua reeleição em uma votação a oposição diz que foi fraudado.

O presidente Alexander Lukashenko, que governou a nação de 9,5 milhões na Europa Oriental com punho de ferro desde 1994, culpou o Ocidente por fomentar manifestações na Bielo-Rússia na esperança de transformá-la em uma “cabeça de ponte contra a Rússia”.

ANÚNCIO

Leia também: Rússia está pronta para oferecer ajuda de segurança à Bielo-Rússia

A OTAN rejeitou as afirmações anteriores de Lukashenko. O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, disse esta semana que o líder bielorrusso tenta evocar a imagem de forças externas ameaçando a Bielo-Rússia como uma desculpa para sua repressão à oposição, que viu centenas de manifestantes espancados pela polícia.

(AP Photo / Sergei Grits)

Além disso, a ideia de que a economia em dificuldade de estilo soviético da Bielo-Rússia seria vista como um farol para os exportadores parece desafiar as realidades econômicas atuais.

Veja também: O líder da Bielo-Rússia busca conter os protestos gradualmente

Os protestos foram alimentados pelo crescente cansaço sobre o governo de Lukashenko, sua rejeição arrogante da pandemia do coronavírus e uma devastadora repercussão econômica do surto em um país onde os padrões de vida já estavam despencando.

ANÚNCIO

O líder bielorrusso de 65 anos ameaçou retaliar contra os vizinhos Polônia e Lituânia, que pressionaram fortemente pelas sanções da União Européia contra seu governo.

Fique por dentro: Protestos na Bielo-Rússia: trabalhadores vaiam Lukashenko à medida que a agitação eleitoral se espalha

A Lituânia também hospedou o principal adversário da oposição na votação, Sviatlana Tsikhanouskaya, que se mudou para lá após a votação, pressionada pelas autoridades bielorrussas.

(AP Photo / Sergei Grits)

Lukashenko disse que a Bielo-Rússia contra-atacaria interrompendo as importações através dos portos da Lituânia e forçando seus vizinhos ocidentais a usar rotas mais longas através do Báltico e do Mar Negro no comércio com a Rússia e a China.

(AP Photo / Sergei Grits)

O primeiro-ministro da Lituânia, Saulius Skvernelis, respondeu em um comunicado no Facebook, dizendo que se Lukashenko cumprir sua ameaça, isso prejudicará principalmente a Bielo-Rússia e seu povo.

Leia também: Mulheres formam ‘cadeias de solidariedade’ na Bielorrússia para protestar contra resultado eleitoral contestado

Lukashenko repetidamente tentou lançar os protestos que exigem sua renúncia como parte de uma conspiração ocidental contra a Rússia, em uma tentativa de garantir o apoio de Moscou.

(AP Photo / Sergei Grits)

O presidente russo, Vladimir Putin, alertou na quinta-feira que está pronto para enviar a polícia à Bielo-Rússia se os protestos lá se tornarem violentos, mas ainda não vê essa necessidade.

(AP Photo / Sergei Grits)

A onda de protestos que ocorreu depois que autoridades eleitorais declararam que Lukashenko havia vencido o sexto mandato em uma vitória esmagadora na eleição presidencial de 9 de agosto lançou um desafio sem precedentes ao seu governo.

Fique por dentro: Eleições na Bielo-Rússia: Reino Unido recusa-se a reconhecer o resultado e exige investigação internacional sobre a ‘repressão terrível’ dos protesto

Tanto a União Europeia quanto os Estados Unidos disseram que a votação não foi livre nem justa.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: APNews

ANÚNCIO