Jantares antigos com peixes traçam a mudança do Saara de Savana para Deserto

Ossos de peixe comido por seres humanos há milhares de anos oferecem pistas sobre o clima antigo da região.

A mudança do Saara da savana com lagos abundantes para uma extensão amplamente árida foi identificada nos restos de peixes comidos milhares de anos atrás.

Pesquisadores que analisam material encontrado em um abrigo rochoso nas montanhas Acacus, no sudoeste da Líbia, dizem ter encontrado mais de 17.500 restos de animais que datam de 10.200 a 4.650 anos atrás, 80% desses animais são peixes. 

Cerca de dois terços dos peixes eram bagres e os demais eram tilápias. A equipe diz que marcas reveladoras nos ossos revelam que os peixes foram comidos por humanos que usaram o abrigo.

Não é a primeira vez que restos de peixes são encontrados nas regiões secas do deserto, mas a equipe diz que é a primeira vez que o clima antigo da região é rastreado por restos de animais.

ANÚNCIO

“Todas as outras descobertas são descobertas de superfície, apenas uma camada, um período, um evento. Enquanto o que temos aqui é uma sequência de 5.000 anos com muitos ossos – o que a torna especial ”, disse Wim van Neer, do Instituto Real Belga de Ciências Naturais, co-autor do estudo.

A descoberta é a mais recente de uma série de achados do grande abrigo rochoso Takarkori, um local com cerca de 50 a 60 metros de comprimento e 30 metros de altura, que se acredita ter sido usado pela primeira vez por caçadores há mais de 10.000 anos.

O professor Savino di Lernia, co-autor do estudo da Universidade Sapienza de Roma, disse que as descobertas anteriores no abrigo incluem evidências de arte rupestre, os primeiros sinais na África de cereais silvestres sendo cultivados e suas sementes armazenadas e evidências de fragmentos de cerâmica práticas de laticínios na África que remontam a quase 7.000 anos atrás.

Clayton Magill, da Universidade Heriot-Watt, que não fazia parte da equipe de pesquisa, mas já havia explorado as mudanças climáticas na savana africana, disse que a mudança para as condições do deserto na região do Saara foi uma das transições ecológicas mais notáveis do passado recente da Terra. .

O novo estudo, disse ele, mostrou que essas mudanças climáticas em grande escala podem afetar as espécies de maneira diferente e aumentam nossa compreensão de nossos ancestrais humanos e sua relação com o clima. “O estudo vincula a mudança climática as mudanças na cultura, relacionadas a estratégias de subsistência ou comportamento social, marcando uma mudança para paisagens humanas e naturais acopladas nas quais os humanos são afetados e, por sua vez, afetam seus ambientes”, afirma pesquisador.

Fonte: The Guardian

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais.

ANÚNCIO