Homem do Brooklyn preso por acumular máscaras e tossir em agentes do FBI

ANÚNCIO

Um homem do Brooklyn que alega estar infectado com o coronavírus tossiu em agentes do FBI que o estavam investigando por acumular suprimentos médicos, informou segunda-feira o Ministério Público dos EUA.

Baruch Feldheim, 43 anos, está enfrentando acusações de agressão e fazendo declarações falsas aos federais no domingo em frente à sua casa em Borough Park, onde ele supostamente vendeu e armazenou grandes quantidades de máscaras de respirador N95, disseram autoridades federais.

ANÚNCIO

Feldheim também é acusado de corrupção de preços. Em 18 de março, ele é suspeito de vender a um médico de Nova Jersey cerca de 1.000 máscaras por US $ 12.000, uma margem de aproximadamente 700%, disseram as autoridades.

O fraudador acusado também encaminhou outro médico a uma oficina mecânica de Irvington, Nova Jersey, para buscar outro pedido. Lá, o médico informou aos investigadores que Feldheim estava acumulando suprimentos médicos suficientes “para equipar um hospital inteiro”.

Materiais incluídos: desinfetantes para as mãos, toalhetes Clorox, agentes químicos para limpeza e suprimentos cirúrgicos.

ANÚNCIO

Na segunda-feira passada, Feldheim estava operando em sua casa no Brooklyn, oferecendo-se para levar roupas cirúrgicas a uma enfermeira, disseram os federais.

Dois dias depois, o suposto açambarcador recebeu uma remessa gigantesca em sua casa de cerca de oito paletes de máscaras faciais.

Agentes do FBI vigiaram sua casa, primeiro notando caixas vazias de máscaras N95 do lado de fora.

No domingo, eles disseram ter testemunhado “várias instâncias” de pessoas se aproximando da residência de Feldheim e saído com o que parecia ser suprimentos médicos.

Os agentes confrontaram Feldheim do lado de fora de sua casa, mantendo uma distância social segura sobre os medos dos coronavírus.

“Quando os agentes estavam a um metro e meio de distância dele, Feldheim supostamente tossiu na direção deles sem tapar a boca”, disse a libertação do advogado dos EUA. “Nesse ponto, Feldheim disse aos agentes do FBI que ele tinha o coronavírus”, dizia o comunicado.

Feldheim teria mentido para os agentes do FBI a respeito de sua posse e venda de suprimentos médicos.

Ele falsamente disse aos agentes que trabalhava para uma empresa que comprava e vendia EPIs e que nunca assumia a custódia física dos materiais.

A prisão ocorre depois que o presidente Trump alegou que alguns suprimentos médicos estavam sendo retirados dos hospitais da cidade de Nova York, que o prefeito Bill de Blasio considerou insultantes.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais.

Fonte: NY Post.

ANÚNCIO