Gravadora de Drake e Ariana Grande descarta o termo ‘urbano’

ANÚNCIO

A Republic Records, uma das mais poderosas gravadoras dos EUA, deixará de usar a palavra “urbano” para descrever músicas de origem negra.

A empresa, que abriga Drake e Ariana Grande, diz que não usará mais o termo para descrever “departamentos, títulos de funcionários e gêneros musicais”.

ANÚNCIO

“Encorajamos o resto da indústria da música a seguir o exemplo”, acrescentou.

O termo é frequentemente considerado uma generalização que marginaliza a música de artistas negros.

“‘Urban’ é uma generalização preguiçosa e imprecisa de várias formas de arte culturalmente ricas”, disse o apresentador de rádio DJ Semtex à revista Music Business UK em 2018.

ANÚNCIO

“Eu desprezo a palavra”, acrescentou. “Conheço artistas que fazem hip-hop, grime ou rap. Não conheço ninguém que faça música urbana.

“A conotação da palavra não tem um peso positivo”, concordou Sam Taylor, vice-presidente sênior da Kobalt Music, em entrevista à Billboard em 2018.

“Está diminuindo o incrível impacto do R&B, soul e hip-hop na música”.

O termo remonta a meados da década de 1970, quando o DJ negro de rádio de Nova York Frankie Crocker cunhou a frase “contemporâneo urbano” como um rótulo para a mistura eclética de músicas que ele tocou – que abrangeu tudo, de James Brown a Doris Day.

Na época, a gravadora não apresentava conotações negativas, mas, depois de abreviada para “urbana”, passou a ser usada como uma peça essencial para músicas criadas por músicos negros – agrupando-as efetivamente em uma categoria, independentemente do gênero.

A Republic Records refletiu o crescente desconforto em torno do prazo em um comunicado anunciando que removeria a palavra do vocabulário de sua empresa.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais.

Fonte: BBC.

ANÚNCIO