Google parte com pesquisador de Inteligência artificial após bloqueio de papel e enfrenta reação adversa

ANÚNCIO

A saída de Timnit Gebru reacende o debate sobre diversidade e liberdade de expressão no grupo de tecnologia.

O Google lutou na quinta-feira para limitar as consequências da saída de um importante pesquisador de inteligência artificial depois que o grupo da Internet bloqueou a publicação de um artigo sobre uma importante questão de ética da IA.

ANÚNCIO

Timnit Gebru, que era co-diretora de ética da IA ​​no Google, disse no Twitter que foi demitida depois que o artigo foi rejeitado.

Jeff Dean, chefe de IA do Google, defendeu a decisão em um e-mail interno para a equipe na quinta-feira, dizendo que o jornal “não atendeu ao nosso limite para publicação”. 

Timnit Gebru, ex-cientista do Google AI Research, fala no palco durante o dia 3 do TechCrunch Disrupt SF 2018 no Moscone Center em 7 de setembro de 2018 em San Francisco, Califórnia.
Ex-cientista de pesquisa de IA do Google, Timnit Gebru, fala no palco durante o dia 3 do TechCrunch Disrupt SF 2018 no Moscone Center em 7 de setembro de 2018 em San Francisco, Califórnia. Foto: (Reprodução/ Internet).

Ele também descreveu a saída de Gebru como uma renúncia em resposta à recusa do Google em conceder as condições não especificadas que ela havia estabelecido para permanecer na empresa.

ANÚNCIO

Fique por dentro: Google Ads e Facebook Ads: conheça os cursos gratuitos

A disputa ameaçou lançar uma luz dura sobre a forma como o Google lida com pesquisas internas de IA que podem prejudicar seus negócios, bem como as dificuldades de longa data da empresa em tentar diversificar sua força de trabalho.

Entenda melhor a situação

Uma pessoa que trabalhou de perto com Gebru disse que houve tensões com a administração do Google no passado por causa de seu ativismo em promover maior diversidade. 

Mas a causa imediata de sua saída foi a decisão da empresa de não permitir a publicação de um artigo de pesquisa de sua coautoria, acrescentou a pessoa.

Foto: (Reprodução/ Internet)

Julien Cornebise, um ex-pesquisador de IA da DeepMind, grupo de IA com sede em Londres de propriedade do pai do Google, Alphabet, disse que a disputa “mostra os riscos de ter IA e pesquisas de aprendizado de máquina concentradas nas mãos de poderosos atores da indústria, desde que permite a censura do campo ao decidir o que é publicado ou não.

Leia também: Ex-engenheiro do Google condenado a 18 meses de prisão por roubo de segredo comercial

Ele acrescentou que Gebru era “extremamente talentosa – precisamos de pesquisadores do calibre dela, sem filtros, nessas questões”. Gebru não respondeu imediatamente aos pedidos de comentário.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: Arstechnica

ANÚNCIO