Fotografias coloridas trazem nova vida ao horrível legado do Holocausto

ANÚNCIO

Hoje marca 75 anos desde que milhares de prisioneiros foram libertados do campo de concentração de Auschwitz-Birkenau.

Entre 1940 e 1945, 1,3 milhão de homens, mulheres e crianças foram assassinados no infame campo de extermínio nazista.

ANÚNCIO

A maioria (1,1 milhão) era de judeus, mas também incluía 140,00 poloneses, 23,00 romas, 15.000 prisioneiros de guerra soviéticos e 25.000 outros, incluindo 400 testemunhas de Jeová e pelo menos 77 homossexuais .

Uma série de fotografias coloridas de prisioneiros trazem vida nova àqueles que foram perseguidos pelos nazistas.

ANÚNCIO

A série de imagens faz parte de um projeto entre a artista Marina Amaral e o Museu Auschwitz-Birkenau, chamado ‘Faces of Auschwitz’.

Istvan Reiner, de quatro anos, foi morto na câmara de gás de Auschwitz. Crédito: Tom Marshall

De acordo com o site do projeto: “O objetivo do projeto é honrar a memória e a vida dos prisioneiros de Auschwitz-Birkenau, colorindo fotografias de registro retiradas do arquivo do museu e compartilhando histórias individuais daqueles cujos rostos foram fotografados”.

Um dos que foram brutalmente mortos pelos nazistas foi Istvan Reiner, que tinha apenas quatro anos quando foi fotografado antes de ser deportado para Auschwitz junto com sua mãe Livia Reiner e sua avó.

Após sua chegada ao campo, Ivan e sua avó foram separados de Lívia e enviados para a câmara de gás, onde ambos morreram. Lívia foi designada para trabalho forçado, mas sobreviveu à guerra, após a qual emigrou para a América.

Iwan foi assassinado após uma injeção de fenol no coração. Crédito: https://facesofauschwitz.com/

Iwan Rebałka era um prisioneiro político, que tinha apenas 17 anos quando foi levado de sua casa em Syrowatka para o campo da morte. Ele morreu cinco meses após sua chegada, em 1 de março de 1943.

No momento de sua morte, seus registros foram falsificados, declarando que ele morreu de um abscesso perinephric – um abscesso perto do rim. No entanto, ele foi morto por uma injeção de fenol no coração pelo SS-Unterscharführer Scherpe.

Cerca de 230.000 crianças foram mortas dessa maneira em Auschwitz.

A fotografia de Deliana Rademakers está entre as que foram coloridas como parte do projeto. Crédito: https://facesofauschwitz.com/

Um novo documentário do Channel 4, Auschwitz Untold: In Color , vê 16 sobreviventes do Holocausto contando suas histórias, usando imagens coloridas da época.

Falando ao The Telegraph , o diretor da série, David Shulman, disse que trazer cores às imagens é uma maneira vital de manter a memória daqueles que morreram vivos para as gerações futuras.

Ele explicou: “A coloração do arquivo em preto e branco é um aspecto de tornar essa história mais acessível a um público mais jovem e de proporcionar maior humanidade às pessoas vistas nas filmagens”.

Traduzido e adaptado por equipe Saibama.is
Fonte: LadBible

ANÚNCIO