Fenômeno de escurecimento das florestas árticas vinculadas ao legado da cidade mais poluída da Rússia

ANÚNCIO

A poluição do ar galopante no norte da Sibéria está bloqueando a luz do sol e desacelerando o crescimento das florestas boreais em regiões da Rússia, sugere uma nova pesquisa

O maior estudo de anéis de árvores em Norilsk, a cidade mais poluída da Rússia e a cidade mais ao norte do mundo, descobriu que a poluição do ar por minas e fundições locais é, pelo menos em parte, culpada por um fenômeno conhecido como “escurecimento do Ártico”.

ANÚNCIO

Leia também: Primeira evidência convincente de organismos que comem vírus como fonte de alimento

Semelhante ao ‘escurecimento global‘, este efeito mais regional ocorre quando partículas minúsculas – da poluição do ar, erupções vulcânicas e poeira – se juntam na atmosfera, onde absorvem ou espalham parcialmente a energia solar, mexendo com a disponibilidade de luz, evaporação e hidrologia em o chão.

main article image
(Ukususha/Getty Images)

Observações de longo prazo e medições de satélite mostraram que a quantidade de radiação solar que atinge a superfície do Ártico diminuiu desde meados do século, mas não estava claro se isso era devido à poluição humana  na região.

Leia também: O número global de mortes causadas pelo Coronavírus já ultrapassou um milhão de pessoas

Hoje, depois de quase um século de mineração pesada e não regulamentada, a morte de árvores perto de Norilsk se espalhou por até 100 quilômetros, mas este é um dos primeiros estudos a conectar aquela floresta encolhida com luz solar reduzida.

ANÚNCIO

E, no entanto, esta região é uma das mais poluídas do mundo. Assim, ao ler milhares de anéis de árvores de coníferas vivas e mortas que cercam a cidade de Norilsk, os pesquisadores procuraram reconstruir o que aconteceu a esta floresta outrora intocada. 

Northern exposure: Life in Norilsk, Russia's most polluted city - Russia  Beyond
Poluição na cidade de Norilsk, situada na Rússia. Foto: (Reprodução/ Internet).

Usando madeira e química do solo, eles mapearam a extensão da devastação ambiental descontrolada de Norilsk ao longo de nove décadas.

Podemos ver que as árvores perto de Norilsk começaram a morrer massivamente na década de 1960 devido ao aumento dos níveis de poluição“, diz  Büntgen.

Usando a radiação solar que atinge a superfície como um substituto para a poluição do ar na atmosfera, os modelos da equipe fornecem “evidências fortes” de que o escurecimento do Ártico reduziu substancialmente o crescimento das árvores desde os anos 70.

Russian metal giant admits pollution in Arctic tundra | Russia News | Al  Jazeera
Metais pesado em águas da cidade russa, uma das cidades mais poluentes do mundo. Foto: (Reprodução/ Internet).

Hoje, dizem os autores, as florestas boreais na Eurásia e no norte da América do Norte também se tornaram em grande parte um “depósito de lixo para grandes concentrações de poluentes atmosféricos antropogênicos” e, portanto, os efeitos do escurecimento do Ártico podem ser sentidos de forma muito mais ampla fora da região de Norilsk estudada aqui.

Fique por dentro: Podemos finalmente saber uma razão molecular pela qual COVID-19 é tão mortal, mas apenas para alguns

Infelizmente, devido aos padrões de circulação em grande escala, sabemos que os poluentes tendem a se acumular na atmosfera do Ártico, e isso significa que os ecossistemas ao norte podem ser especialmente vulneráveis à poluição global como um todo.

Russian nickel mining firm admits pollution in Arctic | News | DW |  28.06.2020

Mesmo sabendo disso, os autores não estavam preparados para a extensão do problema que descobriram.

O que nos surpreendeu é a extensão dos efeitos da poluição industrial – a escala dos danos mostra o quão vulnerável e sensível é a floresta boreal”, disse Büntgen. 

Nem a poluição é a única ameaça a esses preciosos ecossistemas, às vezes descritos como ‘pulmões’ de nosso planeta

Fique por dentro: O fungo histórico que deu ao mundo a penicilina teve seu genoma sequenciado

A mudança climática também parece estar alterando a diversidade das florestas boreais, enquanto incêndios florestais mais intensos e frequentes estão varrendo grandes áreas da Sibéria anualmente, contribuindo para aumentar a poluição do ar regional.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert

 

ANÚNCIO