Ex-namorada de Epstein se declara inocente em audiência

ANÚNCIO

A ex-namorada de Jeffrey Epstein teve fiança negada depois de se declarar inocente por acusações de ter recrutado meninas e mulheres para o financiador abusar sexualmente há mais de duas décadas.

Ghislaine comparece em audiência

A socialite britânica Ghislaine Maxwell apareceu em uma audiência judicial em Manhattan.

ANÚNCIO

Maxwell de 58 anos, está detida sem fiança desde sua prisão em 3 de julho em sua propriedade milionária em New Hampshire, onde os promotores dizem que ela se recusou a abrir a porta para os agentes do FBI, que se apressaram em descobrir que ela havia se retirado para uma sala interior.

Foto: (reprodução/internet)

Os promotores argumentaram que Maxwell não deveria ser libertada sob fiança porque ela é um risco extremo de fuga, alegando que ela tem fortes meios financeiros e vínculos com associados internacionais, com os quais o juiz concordou.

Foto: (reprodução/internet)

Em documentos judiciais arquivados a promotoria diz que Maxwell representava um perigo de fugir do país se ela fosse liberta sob fiança de US $ 5 milhões, recomendada por seus advogados.

ANÚNCIO

“A acusada não tem apenas o motivo de fugir, mas os meios para fazê-lo com rapidez e eficácia”, escreveram os promotores, citando seu acesso a milhões de dólares e as poucas informações sobre suas finanças fornecidas por seus advogados.

Participação direta em abusos

Ela foi acusada de recrutar pelo menos três meninas, uma com 14 anos, para Epstein abusar entre 1994 e 1997.

Foto: (reprodução/internet)

Epstein se matou em agosto de 2019, várias semanas depois de ter sido confrontado por dois acusadores em uma audiência de fiança que insistia em que ele permanecesse na prisão enquanto aguardava as acusações de tráfico sexual que alegavam ter abusado de garotas em suas mansões em Manhattan e na Flórida no início dos anos 2000.

Uma acusação alegou que ela ajudou a preparar as vítimas para sofrer abusos sexuais e algumas vezes estava presente quando Epstein as abusou. Também alegou que ela mentiu durante um depoimento de 2016 em um caso civil decorrente do abuso de meninas e mulheres por Epstein.

Foto: (reprodução/internet)
Foto: (reprodução/internet)

Advogados insistem na inocência da acusada

Nos documentos judiciais, os advogados de Maxwell argumentaram que a morte de Epstein deixou a mídia tentando substituí-la erroneamente por Epstein – mesmo que ela não tivesse contato com Epstein por mais de uma década, nunca tivesse sido acusada de um crime ou considerada culpada de qualquer litígio civil e sempre negou qualquer alegação de má conduta reivindicada”.

Os advogados de Maxwell também disseram que “nega vigorosamente as acusações, pretende combatê-las e tem direito à presunção de inocência”.

O julgamento acontecerá em julho do ano que vem e, se condenada, Maxwell enfrentará 35 anos de prisão.

 

Traduzido e adaptado por equipe Saibama.is
Fonte: 9news.

ANÚNCIO