EUA: O Facebook deixará de anunciar coldres de armas e equipamentos militares até o Dia da Posse

ANÚNCIO

O Facebook proibiu temporariamente os anúncios de acessórios para armas e equipamentos táticos até pelo menos 22 de janeiro, dois dias após a posse do presidente eleito Joe Biden.

A decisão foi tomada depois que o BuzzFeed News informou que, apesar das preocupações dos funcionários, a empresa de tecnologia havia anunciado coletes à prova de balas, coldres de armas e outros equipamentos militares ao lado de conteúdo sobre desinformação eleitoral e o motim no Capitólio.

ANÚNCIO

É apenas uma das várias ações que o Facebook foi pressionado a tomar após a insurreição de 6 de janeiro no prédio do Capitólio, que deixou cinco mortos.

EUA: O Facebook deixará de anunciar coldres de armas e equipamentos militares até o Dia da Posse
Muitos participantes da insurreição de 6 de janeiro no Capitólio usavam equipamentos táticos. Foto: (Reprodução/ Internet).

Vários senadores pediram à empresa que suspendesse seus anúncios de equipamentos militares após a insurreição, mas alguns foram além, argumentando que não eram apenas os anúncios que deveriam chamar a atenção, mas também a própria plataforma. 

Leia também: As proibições de Trump no Twitter e no Facebook estão funcionando

ANÚNCIO

O deputado Alexandria Ocasio-Cortez (D-NY) disse durante uma prefeitura virtual na sexta-feira que “Mark Zuckerberg e o Facebook têm responsabilidade parcial pelos eventos de quarta-feira“.

Os esforços do Facebook para reduzir a desinformação após o ataque ao Capitólio são poucos e tardios?

EUA: O Facebook deixará de anunciar coldres de armas e equipamentos militares até o Dia da Posse
Foto: (Reprodução/ Internet).

O Facebook tentou minimizar sua responsabilidade pelo que aconteceu, em vez de culpar redes sociais de nicho como Parler, onde o conteúdo de extrema direita não é verificado.

Nossa aplicação nunca é perfeita, então tenho certeza de que ainda havia coisas no Facebook. Acho que esses eventos foram amplamente organizados em plataformas que não têm nossa capacidade de parar o ódio, não têm nossos padrões e não têm nossa transparência.”

Fique por dentro: O que Joe Biden quer fazer em sua primeira semana e meia no cargo

Mesmo assim, as evidências sugerem que o Facebook foi crucial para os organizadores espalharem desinformação e conscientização sobre o protesto. Eric Feinberg, vice-presidente de moderação de conteúdo da Coalition for a Safer Web, disse ao Washington Post que 128.000 pessoas estavam usando a hashtag #StopTheSteal no site nos dias que antecederam o ataque.

O Facebook e outras plataformas sociais enfrentam uma pressão crescente por mais supervisão

EUA: O Facebook deixará de anunciar coldres de armas e equipamentos militares até o Dia da Posse
Foto: (Reprodução/ Internet).

Talvez o método mais eficaz que as redes sociais tenham usado para combater a desinformação e as informações hiperpartidárias seja o mais simples: bloquear Trump. O Twitter baniu Trump permanentemente em 8 de janeiro, e a desinformação online sobre fraudes eleitorais caiu 73% nos sete dias seguintes.

Agora que quase todas as grandes redes sociais – bem como empresas como a Salesforce, que hospedou a lista de listas de e-mail da campanha Trump – tomaram medidas semelhantes, é provável que a tendência continue.

Leia também: Donald Trump e seus problemas com as plataformas online

Para alguns, essas ações podem vir como muito pouco, muito tarde. O Facebook foi usado como uma ferramenta de organização para o comício da supremacia branca de 2017 em Charlottesville, Virgínia, os protestos anti-máscara em todo o país em 2020 e a teoria da conspiração QAnon.

Quando questionada por que não fez mais para impedir a disseminação de crenças e grupos extremistas, a empresa normalmente acatou a ideia de que está protegendo a liberdade de expressão dos usuários.

Decisões perante o governo de Joe Biden

EUA: O Facebook deixará de anunciar coldres de armas e equipamentos militares até o Dia da Posse
Foto: (Reprodução/ Internet).

Embora a presidência de Trump tenha sido marcada por sua abordagem anti-regulatória, a FCC sob Biden poderia teoricamente aprovar uma ampla agenda legal que inclui trazer de volta a neutralidade da rede, expandir o acesso à Internet e reequipar a Seção 230, embora esta última possa não ser uma prioridade principal para sua administração. 

Leia também: O segundo impeachment de Donald Trump, entenda

A posse de Biden certamente não corrigirá a polarização massiva das mídias sociais, mas é possível que a internet se torne mais estável depois que ele assumir o cargo.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: Vox e NYtimes

ANÚNCIO