Estudo de referência identifica os neurônios especialmente vulneráveis ​​à doença de Alzheimer

ANÚNCIO

A doença de Alzheimer é uma condição devastadora que atualmente é imparável e incurável. A principal causa da doença é a perda de neurônios e outras células cerebrais no cérebro – também conhecida como degeneração. Essa degeneração é o que leva a problemas de memória e outras funções cognitivas.

Os pesquisadores podem dizer quais neurônios morrem primeiro ou apresentam maior vulnerabilidade à doença de Alzheimer com base em sua localização no cérebro e sua aparência.

ANÚNCIO

Mas eles não sabem quais genes ou proteínas esses neurônios expressam. Conhecer esses fatores é importante para reconhecer e identificar as mudanças em células específicas que acontecem quando a doença está presente.

Foto: (Reprodução/ Internet).

 

Agora, um estudo recente mostrou que os neurônios que expressam uma proteína específica são mais vulneráveis ​​à degeneração. Entender quais neurônios são mais vulneráveis ​​- e por quê – pode permitir aos pesquisadores desenvolver alvos para tratamentos potenciais no futuro.

ANÚNCIO

Leia também: Danos semelhantes ao Alzheimer foram encontrados em cérebros jovens expostos à poluição do ar

Para conduzir seu estudo, os cientistas realizaram uma análise post-mortem do cérebro de pessoas com doença de Alzheimer. Para ver até onde a doença havia progredido, eles começaram procurando por acumulações da proteína tau em diferentes partes do cérebro.

Em pessoas com doença de Alzheimer, as proteínas tau agregam-se às células, o que geralmente causa a morte das células. Tau se acumula de maneira diferente em diferentes áreas do cérebro, razão pela qual algumas áreas apresentam um maior grau de degeneração.

Progressão da doença

Foto: (Reprodução/ Internet).

 

Depois de identificar a progressão da doença, os pesquisadores focaram sua atenção em duas regiões específicas do cérebro: o córtex entorrinal e o giro frontal superior. O córtex entorrinal está envolvido na memória , enquanto o giro frontal superior desempenha um papel nas funções associadas à autoconsciência.

Tau se acumula no córtex entorrinal nos estágios iniciais da doença de Alzheimer, mas não se acumula até mais tarde no giro frontal superior. Ao olhar para duas áreas com perda de células diferentes em diferentes estágios da doença, os cientistas podem procurar diferenças nos mesmos tipos de células.

Leia também: Meses após a infecção, 76% dos pacientes com COVID-19 ainda sofrem de sintomas

Isso também pode permitir que eles descubram o que os torna vulneráveis ​​e quando eles se tornam vulneráveis.

Os pesquisadores analisaram os diferentes tipos de neurônios e células no córtex entorrinal e examinaram a quantidade de tau que eles haviam acumulado, bem como as proteínas que essas células expressavam.

Os pesquisadores descobriram que um tipo específico de neurônio – chamados neurônios excitatórios (que geram sinais de “ação” no cérebro) – eram os mais vulneráveis ​​das células examinadas. Eles descobriram que esses neurônios exibiam um declínio de quase 50% em seu número durante os estágios iniciais da doença de Alzeimer.

Proteína RORB

Foto: (Reprodução/ Internet).

 

Os pesquisadores também descobriram que, em nível molecular, esses neurônios excitatórios continham níveis mais elevados de uma proteína específica chamada RORB (receptor alfa órfão relacionado ao retinóide). Como essa proteína não foi detectada em outras células, isso mostra que os genes e proteínas que uma célula expressa podem determinar sua vulnerabilidade.

A proteína RORB está envolvida no desenvolvimento de diferentes tipos de neurônios, sendo também um fator de transcrição – ou seja, é capaz de controlar a expressão de outras proteínas nas células. Isso significa que o RORB pode ativar ou desativar certas vias que podem levar à doença.

Os pesquisadores então compararam esses neurônios excitatórios vulneráveis ​​ao RORB com outros neurônios excitatórios. Eles encontraram diferenças em seus genes – especificamente aqueles envolvidos na forma como as sinapses (que enviam e recebem sinais no cérebro) se formam, bem como em moléculas de sinalização (que ajudam a enviar mensagens no cérebro).

Foto: (Reprodução/ Internet).

 

Para confirmar que esses neurônios excitatórios que expressam RORB são de fato mais vulneráveis ​​à doença de Alzheimer, a equipe examinou esses neurônios no giro frontal superior. Eles também compararam suas descobertas com outros estudos.

Saiba mais: Pesquisas afirmam que a doença de Alzheimer é, na verdade, três subtipos distintos de doença

Eles descobriram que também no giro frontal superior, os neurônios excitatórios eram igualmente vulneráveis ​​se contivessem altos níveis de RORB. Esse achado mostra que, mesmo em diferentes estágios da doença e áreas do cérebro, os neurônios que apresentaram maior vulnerabilidade apresentaram altos níveis de RORB.

Células, neurônios e astrócitos

Foto: (Reprodução/ Internet).

 

Os pesquisadores também analisaram outros tipos de neurônios e células para ver se eles apresentavam alguma alteração. Eles descobriram que apenas os astrócitos – que desempenham um papel importante no cérebro, incluindo a regulação da atividade neuronal e a proteção do cérebro contra doenças e infecções – mostraram mudanças durante a progressão da doença.

Os pesquisadores descobriram que os astrócitos pareciam estar mais ativados, o que geralmente só acontece quando há doença ou infecção presente no cérebro.

Leia também: Para reduzir a pressão alta a opção de se alongar pode ser mais eficaz do que uma boa caminhada, entenda

Como este estudo se concentrou apenas em amostras de cérebro retiradas de homens com um gene específico relacionado à doença de Alzheimer, é difícil saber se essas descobertas também serão semelhantes em mulheres ou em pessoas com origens genéticas diferentes.

No entanto, este estudo fornece uma melhor compreensão das células que são mais vulneráveis ​​na doença de Alzheimer. Isso pode ser um trampolim para entender melhor por que existe tal vulnerabilidade. Estudos futuros enfocando RORB em neurônios e suas funções podem produzir resultados emocionantes e, esperançosamente, terapias emocionantes.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: Eleftheria Kodosan, The conversation e ScienceAlert

ANÚNCIO