Estudo da Nova Zelândia revela a complexidade psicológica dos bloqueios pandêmicos

ANÚNCIO

2020 não foi um bom ano para a saúde mental.

O surgimento de uma pandemia global deixou muitas pessoas com medo por suas vidas, estressadas com suas finanças, entrando em pânico com as notícias e ansiosas por seus entes queridos.

ANÚNCIO

Embora ainda não tenhamos certeza de qual será o preço da saúde mental, a Organização Mundial da Saúde “espera” que os níveis de solidão, depressão, uso nocivo de álcool e drogas e automutilação ou comportamento suicida aumentem.

Estudo da Nova Zelândia revela a complexidade psicológica dos bloqueios pandêmicos
Na imagem aparece a palavra “stop”, da qual em português tem por significado: “Pare”. Foto: (Reprodução/ Internet).

De todas as nações do mundo, a Nova Zelândia tomou algumas das medidas mais rápidas e drásticas para o COVID-19.

Saibam mais: Psicólogos informam o traço de personalidade que torna mais complicado o bloqueio

ANÚNCIO

Quase na metade do estágio mais difícil de bloqueio da Nova Zelândia, que durou 33 dias, uma pesquisa pública viu os níveis de estresse, ansiedade e depressão aumentarem mais do que o normal, especialmente entre os jovens.

Entre os 2.010 entrevistados, quase um terço pontuou acima do limite para sofrimento psicológico moderado a grave e quase 40% disseram que seu nível de bem-estar era baixo.

Estudo da Nova Zelândia revela a complexidade psicológica dos bloqueios pandêmicos
Foto: (Reprodução/ Internet).

É importante notar que o estudo não conseguiu distinguir se era o próprio bloqueio que estava causando os efeitos na saúde mental ou a ameaça mais ampla da pandemia, mas ainda mostra uma tendência preocupante.

Mas embora seja verdade que a Nova Zelândia acabou eliminando o vírus, na época da pesquisa ninguém sabia que seria o caso.

Leia também: Animais de estimação podem ser um tampão para a saúde mental durante o estresse da quarentena

A pesquisa apenas começou, mas uma pesquisa recente nos Estados Unidos encontrou um impacto negativo modesto em toda a linha nos primeiros meses da pandemia, com adultos mais jovens e aqueles com problemas de saúde pré-existentes relatando mais sofrimento psicológico.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte:  ScienceAlert

ANÚNCIO