Espirros são como ‘minibombas atômicas’ explodindo por mais de 2 metros, alertam os cientistas

ANÚNCIO

Qual é o destino de uma gota? Segundo os cientistas, as micropartículas indiscerníveis ejetadas em qualquer tosse ou espirro podem estar viajando muito mais longe do que pensamos, e muito além dos limites impostos pelos requisitos de distanciamento físico.

Dada a maneira como 2020 foi, não é a primeira vez que ouvimos avisos como este. Durante todo o ano, os cientistas nos disseram até onde a tosse pode se espalhar, rastreando a dispersão das gotas com níveis impressionantes de precisão e alertando que o distanciamento físico não é uma bala de prata.

ANÚNCIO

Mas 2020 ainda não acabou. Embora as vacinas estejam começando a surgir, a pandemia de COVID-19 ainda está aumentando nos Estados Unidos e em vários lugares do mundo.

Espirros são como 'minibombas atômicas' explodindo por mais de 2 metros, alertam os cientistas
Foto: (Reprodução/ Internet)

Por enquanto, basicamente não podemos ter ciência suficiente sobre como o coronavírus está se espalhando entre as pessoas infectadas – especialmente se espirros e tosses podem impulsionar o patógeno mais longe do que geralmente pensamos.

Veja também: Quatro leões testam positivo para Covid-19 no zoológico de Barcelona

ANÚNCIO

No novo trabalho, Renzi e o aluno Adam Clarke modelaram a dinâmica dos fluidos das nuvens expiratórias ejetadas durante a tosse e os espirros.

A dupla descobriu que a forma em evolução de uma nuvem de umidade ejetada por um pulverizador de bico coincide com um fenômeno teórico na física conhecido como anéis de vórtice flutuantes, caracterizando a turbulência e a circulação de um vórtice em forma de toro em um fluido ou gás.

Espirros são como 'minibombas atômicas' explodindo por mais de 2 metros, alertam os cientistas
Foto: (Reprodução/ Internet)

O mesmo tipo de dinâmica é evidente nas nuvens em cogumelo das explosões nucleares. Sua existência hipotética aqui sugere que partículas minúsculas e potencialmente carregadas de vírus em tosses e espirros podem estar chegando muito mais longe do que tendemos a perceber.

Leia também: Você sabe o que são ensaios clínicos? Fique por dentro

Em alguns casos, as menores gotas estudadas (com diâmetro de 30 micrômetros), que são mais facilmente impulsionadas pela turbulência da nuvem de umidade, atingiram alturas superiores a 6 metros (quase 20 pés), e permaneceram suspensas no ar durante o duração da simulação.

Os resultados também sugerem que a direção inicial da nuvem expiratória é um fator importante na determinação de sua propagação potencial. Em suma, inclinar a cabeça para baixo enquanto espirra ou tosse provavelmente reduzirá muito a disseminação de gotículas no ar para cima e para o outro lado da sala.

Espirros são como 'minibombas atômicas' explodindo por mais de 2 metros, alertam os cientistas
Foto: (Reprodução/ Internet)

Os pesquisadores reconhecem que seu modelo é baseado em uma série de suposições matemáticas e apontam que há muito que ainda não sabemos sobre o potencial infeccioso das menores gotas que os humanos exalam.

Leia também: As pessoas com alergias devem evitar a vacina Pfizer? Aqui está o que você precisa saber

No entanto, há mais do que suficiente aqui para garantir uma investigação científica mais aprofundada e talvez informar ainda mais mudanças em como agimos e nos posicionamos em torno de outras pessoas, pensa a equipe.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert

ANÚNCIO