Espiões brasileiros ‘rastrearam delegados do próprio país’ em conferência internacional do clima

ANÚNCIO

O governo de Jair Bolsonaro foi acusado de enviar espiões para acompanhar negociadores brasileiros e ativistas ambientais que participaram das negociações climáticas da Cop25 em Madrid em 2019.

Pelo menos quatro membros dos serviços secretos brasileiros participaram da conferência, segundo o jornal Estadão.

ANÚNCIO

Eles se apresentaram na conferência da ONU como “analistas”, sem contar que trabalharam para a Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

Greve global pelo clima no Brasil; veja como foram os protestos em várias  cidades do país | Natureza | G1
Protesto pelo Meio Ambiente brasileiro na Avenida PaulistaFoto: (Reprodução/ Internet)

Enquanto estavam lá, eles supostamente monitoraram organizações não-governamentais (ONGs), membros da delegação brasileira e representantes de delegações estrangeiras, relata o jornal.

Leia também: Grupo Indígena brasileiro comemora seis meses sem COVID-19 na Aldeia

Falando anonimamente, um dos agentes disse ao Estadão que o objetivo da vigilância era monitorar as críticas ao governo de Bolsonaro, especialmente em relação à Amazônia, e “defender os interesses do país”.

ANÚNCIO

Ele também admitiu que as campanhas de ONGs também eram um interesse primário, relata o jornal.

Antes da eleição de Bolsonaro em 2018, o Brasil estava na fila para sediar a cúpula da COP25, mas depois que ele se tornou presidente, ele retirou o país, citando restrições orçamentárias.

Leia também: “Isso não pode ser um acidente”, diz o detetive da Polícia Federal em incêndios no Pantanal no Brasil

Um ambientalista descreveu como foram abordados pessoalmente por um dos agentes, que perguntou seus nomes, depois disse que trabalhava para o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) do Brasil, vinculado à Abin, e a conversa foi encerrada.

Eles disseram que a vigilância foi “estranha, mas não surpreendente” e já sabiam que o governo brasileiro estava criando “um ambiente hostil” para as ONGs.

Greve pelo clima mobiliza jovens e crianças em São Paulo - Revista Galileu  | Galileu e o clima
Protesto pelo Meio Ambiente brasileiro na Avenida PaulistaFoto: (Reprodução/ Internet)

O governo brasileiro está se tornando cada vez mais preocupado com a percepção internacional de Bolsonaro como um vilão ambiental, devido às consequências econômicas imediatas da reconstrução de sua economia após a pandemia do Coronavirus.

Leia também: Brasil é vítima de mancha ambiental e sofre com as ameaças ao Pantanal e Amazonas

Os incêndios na Amazônia brasileira aumentaram 13% durante os primeiros nove meses de 2020 em comparação com 2019, tornando-os os piores em uma década, de acordo com a agência de pesquisa espacial do país, Inpe.

Veja também: O governo Bolsonaro não se debruçou adequadamente diante dos problemas das queimadas do Pantanal brasileiro

O aumento dos incêndios, principalmente no Pantanal – maior área úmida tropical do mundo – está gerando uma preocupação cada vez maior em todo o mundo devido ao seu impacto na crise climática e da biodiversidade – questões que até a pandemia do Coronavírus ocupavam o primeiro lugar na agenda política europeia.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: INDEPENDENT

 

ANÚNCIO