Especialistas em saúde entram em conflito sobre o uso de certos medicamentos para COVID-19

ANÚNCIO

Autoridades de saúde em todo o mundo estão discutindo sobre o uso de certos medicamentos para COVID-19, levando a diferentes opções de tratamento para os pacientes, dependendo de onde vivem.

Na sexta-feira, um painel de diretrizes da Organização Mundial de Saúde desaconselhou o uso do remdesivir antiviral para pacientes hospitalizados, dizendo que não há evidências de que ele melhore a sobrevida ou evite a necessidade de aparelhos respiratórios.

ANÚNCIO

Mas nos Estados Unidos e em muitos outros países, o medicamento tem sido o padrão de tratamento.

Especialistas em saúde entram em conflito sobre o uso de certos medicamentos para COVID-19
Foto: (Reprodução/ Internet)

Um grande estudo liderado pelo governo dos EUA encontrou outros benefícios no medicamento remdesivir – ele encurtou o tempo de recuperação para pacientes hospitalizados em cinco dias em média, de 15 para 10 dias.

Saiba mais: Quais são as opções de tratamento para COVID-19?

ANÚNCIO

Os médicos também permanecem incertos sobre quando e quando não usar os únicos medicamentos que melhoram a sobrevida dos pacientes mais doentes com COVID-19: dexametasona, cloroquina ou esteróides semelhantes.

E as coisas ficaram mais turvas com a notícia de quinta-feira de que o antiinflamatório tocilizumabe pode ajudar. 

Especialistas em saúde entram em conflito sobre o uso de certos medicamentos para COVID-19
Foto: (Reprodução/ Internet)

Como o principal estudo da OMS sobre o remdesivir, os resultados preliminares do tocilizumabe ainda não foram publicados ou totalmente revisados ​​por cientistas independentes, deixando os médicos sem saber o que fazer.

Saiba mais: Estudo testando um anticorpo COVID-19 apresenta resultados inesperados

O medicamento é administrado por via intravenosa por cerca de cinco dias, e seu alto custo e falta de “efeito significativo” sobre a mortalidade o tornam uma escolha ruim, concluiu o painel da OMS.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: APNews

ANÚNCIO