Economia da China dispara entre os BRICS durante pandemia

ANÚNCIO

As principais economias do mundo foram atingidas pelo coronavírus, mas a China não entrará em recessão, segundo um novo relatório.

Quatro anos perdidos para o G7

De acordo com um relatório recém-divulgado pela The Economist Intelligence Unit, a maioria dos países do G7 perderá quatro anos de crescimento econômico por causa da pandemia.

ANÚNCIO

Apesar do crescente número de mortes por coronavírus, a história econômica dos EUA parecia amplamente positiva.

Foto: (reprodução/internet)

“A produção do terceiro trimestre do país será semelhante à registrada no mesmo período de 2017”, afirmou o relatório.

Foto: (reprodução/internet)

“Sua economia deve voltar aos níveis de PIB pré-coronavírus até 2022″.

ANÚNCIO

 

Índia pode se recuperar rapidamente

Na Ásia, a economia da Índia parece melhor posicionada para se recuperar mais rapidamente, mas o relatório destacou que o país está emergindo como um epicentro de coronavírus, o que pode prejudicar seu crescimento.

Foto: (reprodução/internet)

Enquanto isso, o PIB do terceiro trimestre do Japão voltará aos níveis de 2012.

A Austrália não foi incluída no relatório, mas o Banco de Reserva do país esperava que o PIB encolhesse 8% no ano financeiro de 2019-20.

Economia da China é amplamente discrepante

A China foi a maior discrepante entre os membros do G7 e BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), pois o país é o único que não registrará recessão.

Foto: (reprodução/internet)

“A China está amplamente à frente da curva da pandemia e sua economia começou a se recuperar no segundo trimestre deste ano, enquanto a produção em outros mercados desenvolvidos estava afundando”, constatou o relatório.

A pandemia de coronavírus eliminou cerca de quatro anos de crescimento econômico no Canadá, França, Alemanha e Reino Unido.

No terceiro trimestre deste ano, a produção da Itália estará em níveis registrados pela última vez em 1997, afirmou o relatório.

“A situação na maioria dos países do BRICS é preocupante”, afirmou Agathe Demarais, diretora de previsão global da Economist Intelligence Unit.

Foto: (reprodução/internet)

 

Traduzido e adaptado por equipe Saibama.is
Fonte: 9news.

ANÚNCIO