Donald Trump e seus problemas com as plataformas online.

ANÚNCIO

Na sexta-feira, depois de dezenas de “esta afirmação é disputado” rótulos e mais do que um poucos incidentes internacionais, Twitter finalmente baniu o Presidente Donald Trump, permanentemente.

A proibição é uma mudança sísmica após quatro anos de tuítes quase ininterruptos do presidente, que em 2015 reivindicou o título de “o Ernest Hemingway de 140 caracteres”.

ANÚNCIO

E priva Trump do que Alex Isenstadt do Politico descreveu esta semana como sua “arma política mais potente” – um porrete digital usado para incitar a violência e punir dissidentes.

Donald Trump e seus problemas com as plataformas online.
Foto: (Reprodução/ Internet).

Mas, embora o fim do identificador @realDonaldTrump esteja entre as maiores manchetes de tecnologia da semana – ele até obteve seu próprio obituário da AP – o Twitter não é a única plataforma que decidiu que era o suficiente. Pelo menos 11 plataformas diferentes tomaram medidas contra Trump, ou comunidades e conteúdo relacionado a Trump, esta semana.

Como o jornalista de tecnologia do New York Times Mike Isaac colocou no Twitter : “o telefone do meu homem é um peso de papel”.

ANÚNCIO

Além do Twitter, Facebook, Instagram, Snapchat e Twitch, todos agiram diretamente contra uma conta ou canal do Trump esta semana.

Diferenças de restrições entre as plataformas

Donald Trump e seus problemas com as plataformas online.
Foto: (Reprodução/ Internet).

Ao contrário da proibição do Twitter de Trump, as proibições do Facebook e Instagram não são necessariamente permanentes – mas permanecerão em vigor pelo menos até o final do mandato de Trump.

Snapchat e Twitch – a popular plataforma de transmissão ao vivo – da mesma forma desativaram as contas de Trump de uma vez. Twitch descreveu a mudança para Axios como “um passo necessário para proteger nossa comunidade e evitar que Twitch seja usado para incitar mais violência”.

E o Shopify – que fornece uma plataforma para lojas online – derrubou a Trump Organization e as lojas de mercadorias da campanha Trump em resposta à violação do presidente de uma política da empresa que proíbe “promoção ou apoio a organizações, plataformas ou pessoas que ameaçam ou toleram a violência para promover uma causa.”

Apesar das ameaças constantes, o TikTok não baniu o Donald Trump

Donald Trump e seus problemas com as plataformas online.
Foto: (Reprodução/ Internet).

Outros sites, como Pinterest e TikTok, não baniram Trump – ele não tem uma conta em nenhum dos sites – mas agiram para limitar a disseminação de hashtags e outros conteúdos associados à promoção do presidente de teorias de conspiração de direita. O Pinterest diz à Axios que tem limitado o alcance de certas hashtags como #StopTheSteal “desde a eleição de novembro”.

No TikTok, os vídeos do discurso de Trump aos apoiadores na quarta-feira exortando-os a marchar até o Capitólio serão removidos, e hashtags como #stormthecapitol e #patriotparty irão redirecionar para uma notificação sobre as diretrizes da comunidade da plataforma.

Parler leva vantagem sobre o ataque ao Capitólio dos EUA

Donald Trump e seus problemas com as plataformas online.
Foto: (Reprodução/ Internet).

Não apenas os sites tomaram medidas contra Trump e várias comunidades relacionadas a Trump após o ataque mortal de quarta-feira ao Capitólio dos Estados Unidos, mas toda uma plataforma de mídia social favorecida por atores pró-Trump está definida para sucumbir por seu papel de fórum para violência e incitamento.

Parler, uma plataforma conservadora de mídia social que se autodenomina uma alternativa de “liberdade de expressão” a sites como o Twitter, foi removida da Google Play Store e da Apple App Store em rápida sucessão esta semana. A Amazon, que hospeda o site, anunciou que não o fará mais.

Leia também: Casos de COVID-19 estão aumentando nos EUA. Veja por que a imunidade natural do rebanho ainda está muito distante

A Amazon disse que retirará seu suporte de hospedagem em nuvem para Parler na noite de domingo, e o aplicativo deverá ficar inativo por pelo menos um curto período de tempo enquanto procura um novo serviço de hospedagem na web

A Amazon controla a maior parte da hospedagem em nuvem, atendendo a cerca de 40% da internet, de acordo com o Verge, o que significa que pode ser difícil para Parler encontrar hospedagem alternativa – embora se o fizer antes da meia-noite no horário do Pacífico, poderá permanecer online.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: Vox e NPR

ANÚNCIO