Acabamos de obter mais evidências de que seu tipo sanguíneo pode alterar o risco e a gravidade do COVID-19

ANÚNCIO

A pesquisa está se consolidando em torno da ideia de que as pessoas com sangue Tipo O podem ter uma ligeira vantagem durante esta pandemia.

Dois  estudos  publicados esta semana sugerem que as pessoas com Tipo O têm um risco menor de contrair o coronavírus, bem como uma probabilidade reduzida de adoecer gravemente se forem infectadas.

ANÚNCIO

Um dos novos estudos descobriu especificamente que os pacientes com COVID-19 com sangue do Tipo O ou B passaram menos tempo em uma unidade de terapia intensiva do que seus colegas com Tipo A ou AB. Eles também tinham menos probabilidade de necessitar de ventilação e menos probabilidade de apresentar insuficiência renal.

imagem do artigo principal
(Adam Gault / Getty Images)

Essas novas descobertas ecoam descobertas semelhantes sobre o sangue Tipo O vistas em pesquisas anteriores, criando uma imagem mais clara de um fator de risco específico para o coronavírus.

Pacientes com sangue do Tipo O ou B tinham COVID-19 menos grave 

Ambos os novos estudos foram publicados quarta-feira na revista Blood AdvancesUm  examinou 95 pacientes com COVID-19 gravemente enfermos em hospitais em Vancouver, Canadá, entre fevereiro e abril.

ANÚNCIO

Fique por dentro: Uma resposta de anticorpo de tipo autoimune foi associada a COVID-19 grave

Eles descobriram que os pacientes com sangue do Tipo O ou B passam, em média, 4,5 dias a menos na unidade de terapia intensiva do que aqueles com sangue do Tipo A ou AB. Este último grupo permaneceu, em média, 13,5 dias na UTI.

Tipo sanguíneo pode aumentar as chances de se pegar a covid-19

Os pesquisadores não viram qualquer ligação entre o tipo de sangue e a duração total da internação de cada paciente no hospital.

Eles descobriram, no entanto, que apenas 61% dos pacientes com sangue do Tipo O ou B precisavam de um ventilador, em comparação com 84% dos pacientes com Tipo A ou AB.

Leia também: Veja como o esteróide dexametasona pode fazer um paciente COVID-19 se sentir

Pacientes com Tipo A ou AB, entretanto, também eram mais propensos a precisar de diálise, um procedimento que ajuda os rins a filtrar as toxinas do sangue.

Pessoas do tipo sanguíneo A podem ser mais vulneráveis ao coronavírus, segundo cientistas chineses - Mundo - Diário do Nordeste

“Pacientes nesses dois grupos sanguíneos podem ter um risco maior de disfunção ou falência orgânica devido ao COVID-19 do que pessoas com tipos sanguíneos O ou B”, concluíram os autores do estudo.

Leia também: Enquanto o mundo se concentra no COVID-19, outra devastadora ameaça à saúde está se formando

Um estudo de junho  encontrou uma ligação semelhante: os pacientes na Itália e na Espanha com sangue do tipo O tiveram um risco 50 por cento reduzido de infecção grave por coronavírus (o que significa que precisavam de intubação ou oxigênio suplementar) em comparação com pacientes com outros tipos de sangue.

Pessoas com sangue do Tipo O tinham ‘suscetibilidade reduzida’ à infecção

Canal Ideal - Município de Chapecó confirma 62º óbito de paciente com coronavírus
Foto: (Reprodução/ Internet).

O  segundo novo estudo  descobriu que as pessoas com sangue do Tipo O podem ter um risco menor de contrair o coronavírus, em primeiro lugar, em comparação com as pessoas com outros tipos de sangue.

A equipe examinou quase meio milhão de pessoas na Holanda que foram testadas para COVID-19 entre o final de fevereiro e o final de julho. Das cerca de 4.600 pessoas que testaram positivo e relataram seu tipo de sangue, 38,4% tinham sangue do tipo O.

Outros estudos encontraram uma ligação semelhante entre o tipo de sangue e o risco de COVID-19

Em geral, seu tipo sanguíneo depende da presença ou ausência de proteínas chamadas antígenos A e B na superfície das células vermelhas do sangue – uma característica genética herdada de seus pais.

Leia também: Especialistas alertam que ainda estamos terrivelmente despreparados para outra pandemia

Pessoas com sangue O não têm antígeno. É o tipo de sangue mais comum: cerca de 48% dos americanos têm sangue Tipo O, de  acordo com o Instituto de Sangue de Oklahoma.

Coronavirus' Top Targets: Men, Seniors, Smokers
Foto: (Reprodução/ Internet).

Os novos estudos sobre tipo de sangue e risco de coronavírus se alinham com pesquisas anteriores sobre o assunto. Um estudo publicado em julho  descobriu que as pessoas com Tipo O tinham menos probabilidade de testar positivo para COVID-19 do que aquelas com outros tipos de sangue.

Leia também: Quando a pandemia do Coronavírus terminará?

Um estudo de abril também (embora ainda não tenha sido revisado por pares) descobriu que  entre 1.559 pacientes com coronavírus  na cidade de Nova York, uma proporção menor do que seria de se esperar tinha sangue Tipo O.

E em março,  um estudo  com mais de 2.100 pacientes com coronavírus nas cidades chinesas de Wuhan e Shenzhen também descobriu que as pessoas com sangue do Tipo O tinham um risco menor de infecção.

Houston hospital first in US to try coronavirus blood transfusion therapy - The Economic Times
Foto: (Reprodução/ Internet).

Pesquisas anteriores  também sugeriram  que as pessoas com sangue Tipo O eram menos suscetíveis  à SARS , que compartilha 80% de seu código genético com o novo coronavírus. Um estudo de 2005 em Hong Kong  descobriu que a maioria dos indivíduos infectados com a SARS tinha tipos de sangue não O.

Apesar deste crescente corpo de evidências, no entanto, Mypinder Sekhon, um co-autor do estudo de Vancouver, disse que a ligação ainda é tênue.

Fique por dentro: Perdido na linha de frente: o alto preço pago pelos profissionais de saúde em todo o mundo quando o número de mortes por coronavírus passa de um milhão

“Não acho que isso substitua outros fatores de risco de gravidade, como idade e comorbidades e assim por diante”, disse ele  à CNN , acrescentando: “se alguém é do grupo sanguíneo A, não precisa entrar em pânico. E se você é grupo sanguíneo O, você não está livre para ir a pubs e bares. ”

Este artigo foi publicado originalmente pelo Business Insider.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert

 

 

ANÚNCIO