Coronavírus: Mulheres líderes agiram mais rápida e decisivamente para salvar vidas, segundo estudo

ANÚNCIO

As líderes femininas agiram com mais rapidez e decisão para salvar vidas da ameaça iminente do coronavírus, sugeriu um estudo.

Os bloqueios iniciais foram considerados um elemento-chave de uma resposta inicial eficaz ao Sars-Cov-2, o vírus que causa a Covid-19, com o professor do Reino Unido sugerindo que fechar a sociedade uma semana antes poderia ter reduzido pela metade o número de mortos no Reino Unido.

ANÚNCIO

Agora, pesquisadores da Universidade de Liverpool sugeriram que líderes femininas – como Jacinda Ardern da Nova Zelândia e Angela Merkel da Alemanha – tomaram decisões rápidas que resultaram em resultados “sistemática e significativamente melhores” para seus cidadãos.

Países liderados por mulheres tem melhores resultados na pandemia

Eles acrescentaram que havia um “padrão definido e consistente” mostrando um número menor de mortes de Covid-19 em nações lideradas por mulheres, considerando uma variedade de fatores.

ANÚNCIO

A professora Supriya Garikipati escreveu: “Nossos resultados acima indicam claramente que as mulheres líderes reagiram mais rápida e decisivamente em face de possíveis fatalidades.”

No entanto, embora observem os comportamentos de risco de alguns líderes masculinos na corrida para um surto nacional – como a alegação de Boris Johnson de que ele continuou a apertar as mãos em um momento em que a Organização Mundial de Saúde alertava sobre o comportamento – os pesquisadores disseram que não era simplesmente um caso de as mulheres são avessas ao risco.

Para se adaptar a apenas 19 nações no estudo de 149 países com líderes femininas, os pesquisadores usaram um “método de comparação do vizinho mais próximo” para comparar nações semelhantes em características de PIB per capita, população, proporção de pessoas que vivem em áreas urbanas e a proporção de idosos cidadãos.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: INDEPENDENT

ANÚNCIO