Coronavirus: como a Unesco está preenchendo a lacuna global na educação

ANÚNCIO

O fotojornalista Paddy Dowling examina como a organização e seus parceiros estão correndo para reter as crianças mais marginalizadas na escola em um mundo pós-Covid.

No auge da crise da Covid-19, 1,6 bilhão de crianças de todo o mundo foram mandadas para casa e os portões da escola foram fechados. 

Esse número exclui os 258 milhões de crianças que já estavam fora da escola e sem acesso à educação – 59 milhões no ensino fundamental, segundo o Instituto de Estatística da Unesco.

ANÚNCIO

Os efeitos do fechamento de escolas na segurança, bem-estar e aprendizagem das crianças estão bem documentados. Isso também tem consequências de longo prazo para as economias e sociedades, resultando em um ciclo perpétuo de pobreza multidimensional. 

Jonas, 12, só começou a estudar aos 10 anos (três anos após a idade de matrícula na Tanzânia) devido às restrições financeiras de sua família
Jonas, 12, só começou a estudar aos 10 anos (três anos após a idade de matrícula na Tanzânia) devido às restrições financeiras de sua família (Fotos Paddy Dowling / EAA)

Uma pesquisa realizada pela Unesco em 2017 descobriu que 56 por cento ( 617 milhões) das crianças em salas de aula em todo o mundo não estão atingindo níveis mínimos de proficiência.

Desigualdade, saúde precária, trabalho infantil, casamento precoce e forçado são apenas alguns dos resultados de longo prazo. E essas nações com um número significativo de crianças fora da escola enfrentam a perspectiva muito real de gerações perdidas ”, diz Stefania Giannini, diretora-geral assistente de educação da Unesco.

ANÚNCIO

A pandemia obrigou muitos a recorrer à educação à distância, mas isso apresenta seus próprios obstáculos. 

Josephine, 14, é uma órfã que agora mora com sua tia. Ela foi matriculada na escola em 2017, mas é forçada a viajar 4 km para chegar lá (Paddy Dowling / EAA)

A conectividade continua sendo o maior desafio. Hoje, 47% dos alunos do ensino fundamental e médio em todo o mundo não têm acesso à Internet, 89% na África e 14% na Europa.

Furaha, de seis anos, frequenta a Escola Primária de Buremba em Uganda, mas precisa fazer uma caminhada de três horas para chegar lá (Paddy Dowling / EAA)

Historicamente, os países sem conectividade proporcionam aprendizagem por meio da televisão e do rádio, o que se mostra como boas alternativas em um contexto em que a aprendizagem online não é possível.

As medidas de distanciamento social apresentam desafios adicionais para salas de aula já lotadas em Uganda (Paddy Dowling / EAA)

O impacto de curto prazo dessa emergência global se tornará aparente quando as escolas em todo o mundo reabrirem seus portões.

Ikiriza tem que financiar sua própria educação trabalhando nos finais de semana com apenas cinco anos de idade (Paddy Dowling / EAA)

A longo prazo, permanece a esperança de que as crianças mais marginalizadas, cujas matrículas na educação estão por um fio, não sejam lançadas nas sombras da sociedade, destinadas a uma vida trabalhando, não aprendendo.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: INDEPENDENT

ANÚNCIO