Coreia do Norte pede desculpas pela morte a tiros de sul-coreano

ANÚNCIO

O líder norte-coreano Kim Jong Un se desculpou na sexta-feira pelo assassinato de um oficial sul-coreano que aparentemente tentava desertar perto da disputada fronteira marítima dos rivais, dizendo que “lamenta muito” o incidente.

É extremamente incomum para um líder norte-coreano se desculpar com a Coreia do Sul por qualquer questão.

ANÚNCIO

A ação de Kim provavelmente diminuirá as tensões entre as Coreias, já que deve aliviar os sentimentos anti-Norte na Coreia do Sul, bem como as crescentes críticas ao presidente liberal Moon Jae-in.

As pessoas assistem a uma TV mostrando um arquivo de imagem do líder norte-coreano Kim Jong Un, à esquerda, e do presidente sul-coreano Moon Jae-in. (AP Photo / Ahn Young-joon)

A Coreia do Sul já havia acusado a Coreia do Norte de atirar fatalmente em um de seus servidores públicos que provavelmente tentava desertar e queimar seu corpo depois de encontrá-lo em um objeto flutuante nas águas norte-coreanas na terça-feira.

As autoridades sul-coreanas condenaram o que chamaram de “ato atroz” e pressionaram a Coréia do Norte a punir os responsáveis.

ANÚNCIO

Veja também: Coronavírus: OMS alerta para situação ‘muito séria’ na Europa, já que os casos semanais chegam a 300.000 pela primeira vez

De acordo com a mensagem norte-coreana, as tropas norte-coreanas atiraram primeiro depois que o homem encontrado nas águas do Norte se recusou a responder, a não ser dizendo que era da Coreia do Sul algumas vezes.

Então, enquanto ele fazia movimentos para fugir, as tropas norte-coreanas dispararam 10 tiros. Quando eles chegaram perto do objeto flutuante, eles encontraram apenas muito sangue, mas nenhum sinal dele.

Líder da Coreia do Norte. (AP Photo / Ahn Young-joon)

As tropas determinaram que ele estava morto e queimaram o objeto flutuante de acordo com as regras anti-coronavírus, de acordo com a mensagem norte-coreana lida por Suh.

O oficial militar sul-coreano Ahn Young Ho disse em uma reunião do comitê parlamentar na quinta-feira que a Coréia do Norte matou o homem provavelmente por causa de medidas anticoronavírus elevadas que envolvem “tiroteio indiscriminado” em qualquer um que se aproxima ilegalmente de suas fronteiras.

Leia também: Empresa chinesa afirma vacina contra coronavírus estará pronta no início de 2021

O ministro da Defesa, Suh Wook, disse na mesma reunião que se acredita que o oficial tenha tentado desertar porque deixou os sapatos no navio, colocou um colete salva-vidas e embarcou em um objeto flutuante.

Suh também citou evidências circunstanciais indicando a tentativa de deserção. Alguns especialistas dizem que não havia provas suficientes para concluir que ele tentou cruzar para a Coreia do Norte.

Líder da Coreia do Sul e exército sul-coreano. Foto (Reprodução/ Internet).

A mensagem de Kim dizia que a Coréia do Norte “não pode deixar de expressar grande pesar” pelo fato de a Coréia do Sul ter usado “palavras blasfemas e de confronto como ato atroz” para condenar o Norte antes de pedir que explicasse os detalhes do incidente.

Mas disse que a Coréia do Norte ainda lamenta que tal incidente aconteça em seu território e tomará medidas para evitar que a confiança entre os países entre em colapso.

Pouco se sabe sobre o oficial assassinado, exceto que ele era um pai de dois filhos, de 47 anos, que deixou para trás algumas dívidas, segundo as autoridades.

Veja também: O estudo da vacina AstraZeneca COVID-19 foi interrompido.

A polícia marítima disse na sexta-feira que estava verificando os registros do celular do homem, contas bancárias e programas de seguro.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: APNews

ANÚNCIO