Como os cientistas sabem que as vacinas aprovadas para COVID-19 são seguras

ANÚNCIO

Após um ano que resultou em mais de 1,7 milhão de mortes e vários bloqueios, muitas pessoas estão recebendo a notícia de que as vacinas COVID-19 estão começando a ser distribuídas ao público

A vacinação generalizada pode significar que a vida pode retornar à normalidade pré- pandêmica; no entanto, esse cenário depende da disposição das pessoas em receber a vacina.

ANÚNCIO

Algumas pessoas estão preocupadas com a segurança das vacinas em geral, enquanto outras suspeitam da novidade e do rápido tempo de resposta das vacinas COVID em particular. Perguntamos a 14 especialistas em imunologia, bioestatística e vacinologia se as vacinas COVID-19 são seguras.

Quais vacinas COVID-19 foram aprovadas e o que isso significa?

Como os cientistas sabem que as vacinas aprovadas para COVID-19 são seguras
Foto: (Reprodução/ Internet).

As vacinas, junto com todos os outros medicamentos, não podem ser usadas até que um país as “aprove”. Este processo de aprovação é realizado em cada país ou grupo de países por uma agência independente.

Nos EUA, isso é feito pela FDA (Food and Drug Administration), no Reino Unido pela MHRA (Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde) e na União Europeia pela  EMA (Agência Europeia de Medicamentos).

ANÚNCIO

Para que qualquer coisa seja aprovada por essas agências, ela deve mostrar que 1) é segura e 2) faz o que deve fazer.

Como os cientistas sabem que as vacinas aprovadas para COVID-19 são seguras
Foto: (Reprodução/ Internet).

Existem várias vacinas COVID-19 atualmente em pesquisa e desenvolvimento. Embora algumas delas já estejam sendo usadas na Rússia e na China, apenas duas vacinas estão atualmente aprovadas para uso nos EUA e no Canadá.

Saiba mais: Os muitos sintomas estranhos de longo prazo de Covid-19, explicados

Um é um esforço conjunto da Pfizer e da BioNTech denominado ‘BNT162b2’ e outro é fabricado pela Moderna e denominado ‘mRNA-1273’. O BNT162b2 foi aprovado em 9 países em todo o mundo, incluindo o Reino Unido, e também é autorizado pela EMA.

Como uma vacina é aprovada?

Como os cientistas sabem que as vacinas aprovadas para COVID-19 são seguras
Foto: (Reprodução/ Internet).

Para que as vacinas Pfizer e Moderna sejam aprovadas pelos órgãos mencionados acima, elas devem ter se mostrado seguras. Os dados de segurança examinados durante o processo de aprovação cobrem todas as etapas da jornada da vacina, desde os experimentos iniciais no laboratório até o processo de fabricação.

Uma parte importante desses dados são os ensaios clínicos. Todos os medicamentos, incluindo vacinas, passam por  três estágios de ensaios clínicos :

  • Estágio I – testar a vacina em um pequeno grupo de voluntários (20-80) para verificar se é segura e encontrar a dose certa
     
  • Estágio II – descobrir se a vacina realmente funciona dividindo 100-300 voluntários em dois grupos e administrando a vacina a um grupo e ao outro grupo um placebo.
     
  • Estágio III – dividir milhares de voluntários em um grupo de vacina e um grupo de placebo aleatoriamente. Não diga aos voluntários ou aos médicos quem está em qual grupo (isso é chamado de fazer o ensaio ‘duplo-cego’) e verifique se a vacina está funcionando e se há algum efeito colateral.

Se um ensaio não for bem-sucedido, por exemplo, os resultados mostram que a vacina não está realmente prevenindo a doença ou causando efeitos colaterais adversos, o ensaio é interrompido e a vacina não é aprovada.

O que está nas vacinas COVID?

Como os cientistas sabem que as vacinas aprovadas para COVID-19 são seguras
Foto: (Reprodução/ Internet).

As vacinas Moderna e Pfizer são vacinas de RNA. RNA é a informação no interior do SARS-CoV-2 vírus que codifica para todas as máquinas a vírus.

As vacinas tradicionais usam uma versão morta ou modificada do vírus para fazer com que o corpo crie uma resposta imune, de modo que aprenda a reconhecer esse vírus e, portanto, se torne imune a ele. As vacinas de RNA usam uma versão modificada do RNA do vírus SARS-CoV-2.

Leia também: Proteção contra o COVID-19, saiba mais

Quando o RNA entra em suas células, elas produzem seus próprios fragmentos de vírus, que então ensinam seu corpo a se tornar imune como qualquer outra vacina. O RNA por si só não é prejudicial; na verdade, suas células produzem e usam RNA o tempo todo.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert

ANÚNCIO