Cientistas preocupados com ‘inconsistências de dados’ nos testes russos de vacinas COVID-19

ANÚNCIO

O jornal médico Lancet disse na quinta-feira que pediu esclarecimentos aos autores de um estudo sobre uma potencial vacina russa COVID-19 depois que sua pesquisa foi examinada.

A Rússia anunciou no mês passado que sua vacina, batizada de “Sputnik V” em homenagem ao satélite da era soviética que foi o primeiro lançado ao espaço em 1957, já havia recebido aprovação.

ANÚNCIO

Isso levantou preocupações entre os cientistas ocidentais sobre a falta de dados de segurança, com alguns avisos de que agir muito rapidamente em uma vacina pode ser perigoso.

Foto: (Reprodução/ Internet).

Pesquisadores russos publicaram os resultados de seus testes na semana passada no Lancet , o que significa que suas pesquisas foram revisadas por uma seleção de seus pares.

Ele disse que a vacina provou ser “segura e bem tolerada” entre algumas dezenas de voluntários.

ANÚNCIO

No entanto, uma carta aberta assinada esta semana por mais de 30 especialistas europeus lançou dúvidas sobre os resultados, apontando para “possíveis inconsistências de dados”.

Os pesquisadores identificaram o que eles disseram ser uma série de duplicações nos números apresentados e concluíram que os dados do estudo eram “altamente improváveis” de serem corretos.

Veja também: Mulher morre durante uma caminhada nas montanhas da Califórnia durante uma onda de calor extrema

O principal autor do estudo foi citado na quinta-feira pela agência de notícias russa RIA Novosti dizendo que rejeitou as afirmações da carta.

Uma porta-voz do The Lancet disse à AFP que eles estavam cientes da carta aberta.

“Compartilhamos a carta diretamente com os autores e os encorajamos a se envolver na discussão científica”, disse ela.

Foto: (Reprodução/ Internet).

A porta-voz acrescentou que a pesquisa foi revisada por especialistas independentes antes da publicação.

Leia também: Fóssil de árvore gigante de 10 milhões de anos no Peru revela surpresas sobre um passado antigo

pandemia viu uma mobilização sem precedentes de financiamento e pesquisa para apressar uma vacina que pode proteger bilhões de pessoas em todo o mundo.

A gigante farmacêutica AstraZeneca disse esta semana que estava interrompendo os testes de Fase 3 de sua vacina candidata, desenvolvida com a Universidade de Oxford, depois que um voluntário adoeceu.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert

ANÚNCIO