Cientistas mostram como SARS-CoV-2 causa falência de múltiplos órgãos em modelo experimental de camundongo

ANÚNCIO

Os cientistas têm criado um modelo de ratinho de primeira de seu tipo do COVID-19 doença, capazes de revelar como a SARS-CoV-2 vírus estragos wreaks em vários sistemas de órgãos no corpo do animal.

Embora este modelo experimental não corresponda diretamente aos casos de coronavírus humano, é um avanço em outras maneiras, nos dando um sistema de teste potencial para explorar como o patógeno respiratório mortal se estende além do sistema respiratório em muitos casos de infecção.

ANÚNCIO

Modelos de camundongo de COVID-19 já foram projetados antes, mas nenhum nos levou a esse ponto, dizem os pesquisadores, ao demonstrar como são as manifestações extrapulmonares de COVID-19.

Cientistas mostram como SARS-CoV-2 causa falência de múltiplos órgãos em modelo experimental de camundongo
Fotos: (Reprodução/ Internet).

Essa tem sido uma limitação significativa para a pesquisa baseada em animais sobre a progressão do vírus, e é devido a alguns motivos. 

Os camundongos e sua relação com casos humanos

Embora as células do rato contenham um análogo do receptor ACE2 que o SARS-CoV-2 usa para se ligar às células humanas, o vírus não parece se ligar à versão do rato da molécula.

ANÚNCIO

Leia também: Quatro leões testam positivo para Covid-19 no zoológico de Barcelona

A engenharia genética de ratos com a versão humana de ACE2 fornece uma espécie de solução alternativa, mas antes de agora, os cientistas não tinham conseguido induzir falência de múltiplos órgãos em ratos, o que poderia imitar a forma como os casos humanos de infecção extrapulmonar tendem a se apresentar.

Cientistas mostram como SARS-CoV-2 causa falência de múltiplos órgãos em modelo experimental de camundongo
Fotos: (Reprodução/ Internet).

O déficit pode ter ocorrido porque estudos anteriores usaram inoculação nasal em camundongos, infectando os animais com SARS-CoV-2 pelo nariz, que não parece se desenvolver em infecções por coronavírus em todo o sistema em camundongos.

Infelizmente para os sujeitos, os ajustes experimentais funcionaram. 

E embora não tenha sido um bom resultado para os ratos envolvidos, ser capaz de estudar a toxicidade induzida sistemicamente em ratos infectados com SARS-CoV-2 poderia expandir significativamente nosso conhecimento das capacidades de ramificação do vírus em casos humanos. Esse conhecimento é extremamente necessário.

Fique por dentro: Parece que o COVID-19 já estava nos EUA em dezembro de 2019

Em sete dias, os camundongos infectadosdemonstraram morbidez profunda, atividade severamente restrita e foram encontrados amontoados no canto da gaiola“, em contraste com um grupo de controle de camundongos de engenharia semelhante que foram poupados da infecção, permanecendo saudáveis.

Cientistas mostram como SARS-CoV-2 causa falência de múltiplos órgãos em modelo experimental de camundongo
Fotos: (Reprodução/ Internet).

Na mesma quantidade de tempo, os ratos infectados perderam até cerca de 25% de seu peso corporal devido à redução acentuada do consumo de alimentos, necessitando de eutanásia.

Os ratos infectados também tinham baços danificados, atividade cardíaca e pressão arterial irregulares e níveis alterados de células do sistema imunológico – todos os sintomas se assemelhando a casos humanos de COVID-19.

Após a eutanásia dos animais, a análise de seus órgãos revelou alterações na expressão gênica em vários tecidos, interrompendo processos celulares que geram energia no corpo.

Cientistas mostram como SARS-CoV-2 causa falência de múltiplos órgãos em modelo experimental de camundongo
Fotos: (Reprodução/ Internet).

Novamente, tudo isso depende de quanto cruzamento realmente existe entre COVID-19 de camundongo induzido artificialmente e COVID-19 humano facilmente capturado.

Leia também: Casos de pneumonia por conta da COVID-19 exigirão cuidados intensivos

Essa relação é mais uma incógnita, embora graças a este modelo horrível, pelo menos agora possamos começar a fazer as perguntas.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert

ANÚNCIO