O CDC finalmente admitiu a distância que o coronavírus realmente viaja em espaços fechados

ANÚNCIO

Um metro e oitenta de espaço nem sempre é suficiente para evitar que você pegue o coronavírus de outra pessoa.

Pessoas que estão fisicamente próximas (a menos de 6 pés [ou 1,8 metros]) de uma pessoa com COVID-19, ou que têm contato direto com essa pessoa, correm maior risco de infecção“, disse o  CDC em sua nova orientação, publicada na tarde de segunda-feira.

ANÚNCIO

Algumas das maneiras mais fáceis de obter COVID-19 de outra pessoa, enfatizou a agência, são:

  • Estar perto de alguém “com COVID-19” que pode “tossir, espirrar, cantar, falar ou respirar”.
  • Inalar o vírus de outra pessoa pelo nariz e / ou boca.
  • Ter “contato próximo” com uma pessoa que está doente com o vírus (como você faria se morasse ou trabalhasse com ela).

Em um comunicado por e-mail divulgado junto com sua nova orientação, a agência disse que suas recomendações para precauções contra o coronavírus “permanecem as mesmas”.

imagem do artigo principal
(FG Trade / Getty Images).

“O CDC continua a acreditar, com base na ciência atual, que as pessoas têm maior probabilidade de serem infectadas quanto mais tempo e mais perto estão de uma pessoa com COVID-19”, disse o comunicado.

ANÚNCIO

Fique por dentro: O fungo histórico que deu ao mundo a penicilina teve seu genoma sequenciado

“As pessoas podem se proteger do vírus que causa a COVID-19 ficando a pelo menos 6 pés de distância dos outros, usando uma máscara que cubra o nariz e a boca, lavando as mãos com frequência, limpando as superfícies tocadas com frequência e ficando em casa quando estão doentes.”

Por que 1,8 metros nem sempre é suficiente: o vírus se desenvolve em espaços abafados

Recomendações para o uso de máscara caseira - O que você precisa saber -  Sesi - Informações SST

A agência também reconheceu, pela primeira vez, que é possível pegar o coronavírus de outra pessoa, mesmo se você estiver a mais de dois metros de distância dela – algo que a agência voltou atrás no mês passado.

Há evidências de que, sob certas condições, as pessoas com COVID-19 parecem ter infectado outras que estavam a mais de 6 pés de distância“, disse a agência.

Leia também: Especialistas alertam que ainda estamos terrivelmente despreparados para outra pandemia

Esse reconhecimento pelo CDC de que o vírus pode ser transportado pelo ar – flutuando em partículas menores, em vez de cair no solo – é algo que muitos outros especialistas em saúde pública expressaram preocupação nos últimos meses.

Isso aconteceu depois que o CDC, que  já foi considerado a melhor equipe de resposta de saúde pública do mundo,  passou semanas revisando um formulário preliminar da mesma orientação,  que a agência disse ter sido  “postado por engano” e retirado de seu site no mês passado.

Coronavírus: Após decretos, veja em quais cidades o uso de máscara é  obrigatório

Acredita-se que respirar pesadamente, gritar e cantar, sem ventilação adequada, contribuem para o “acúmulo” de partículas portadoras de vírus, disse o CDC, e que podem infectar mais facilmente outras pessoas próximas.

Fique por dentro: 35 anos de pesquisa em infecções por coronavírus mostram que a imunidade a longo prazo é improvável

“A conclusão é que ele está viajando pelo ar e não há uma linha brilhante”, disse o virologista da Universidade de Maryland,   Don Milton (que não é afiliado ao CDC), durante uma chamada de imprensa logo após o CDC atualizar sua orientação na segunda-feira.

Você não está seguro além de um metro e oitenta. Você não pode tirar sua máscara a um metro e oitenta.

Organização Mundial da Saúde também reconheceu que esse tipo de disseminação pode ser possível em julho,  mas enfatizou que provavelmente se limita a  “espaços lotados e com ventilação inadequada, onde pessoas infectadas passam longos períodos com outras pessoas”.

As superfícies, por outro lado, “não são consideradas uma forma comum de propagação do COVID-19”, disse a agência

Anvisa exige a obrigatoriedade de três camadas de tecido na fabricação de  máscaras caseiras – PORTAL JORNAL DO NORTE

Obter o vírus de objetos e superfícies é muito menos provável do que a transmissão entre pessoas, disse a agência, acrescentando “é possível que uma pessoa possa obter COVID-19 tocando em uma superfície ou objeto que contém o vírus e, em seguida, tocando os seus próprios. boca, nariz ou olhos. ”

Veja também: Novo estudo revela que o aquecimento global está afetando as temperaturas noturnas de maneira diferente

Mas, “tocar em superfícies não é uma forma comum de propagação do COVID-19“, acrescentou o CDC.

Este artigo foi publicado originalmente pelo Business Insider.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais
.

Fonte: ScienceAlert

ANÚNCIO