Astrônomos descobrem buracos negros binários que têm seu próprio ‘elétron’

ANÚNCIO

Uma equipe de pesquisadores mostrou que um tipo especial de partícula pode existir ao redor de um par de buracos negros, da mesma forma que um elétron pode existir ao redor de um par de átomos de hidrogênio – o primeiro exemplo de uma “molécula gravitacional”.

Este estranho objeto pode nos dar dicas sobre a identidade da matéria escura e a natureza última do espaço-tempo.

ANÚNCIO

Para entender melhor a pesquisa que explica a existência de uma molécula gravitacional, é necessário entender o que é o “campo”.

Astrônomos descobrem buracos negros binários que têm seu próprio 'elétron'
Foto: (Reprodução/ Internet)

O campo é uma ferramenta matemática que diz o que você pode esperar encontrar ao viajar de um lugar para outro no universo.

Por exemplo, se você já viu um boletim meteorológico na TV sobre as temperaturas em sua área local, está vendo uma representação de um campo de fácil visualização: Conforme você viaja pela sua cidade ou estado, você saberá que temperaturas que você provavelmente encontrará e onde (e se você precisa levar um casaco).

ANÚNCIO

Leia também: Depois de 86 anos, os físicos finalmente fizeram um cristal de elétron

Esse tipo de campo é conhecido como campo ‘escalar’, porque ‘escalar’ é a maneira matemática sofisticada de dizer ‘apenas um único número’.

Astrônomos descobrem buracos negros binários que têm seu próprio 'elétron'
Foto: (Reprodução/ Internet)

Existem outros tipos de campos na física-terra, como campos ‘vetoriais’ e campos ‘tensores’, que fornecem mais de um número para cada localização no espaço-tempo.

Os cientistas descobriram, basicamente, que tudo no universo é realmente um campo.

Saiba mais: O buraco negro mais próximo da Terra pode não ser, afinal, um buraco negro

Considere o humilde elétron. Sabemos pela mecânica quântica que é muito difícil determinar exatamente onde um elétron está em um determinado momento.

Astrônomos descobrem buracos negros binários que têm seu próprio 'elétron'
Foto: (Reprodução/ Internet)

Na física moderna, representamos o elétron como um campo – um objeto matemático que nos diz onde é provável que localizemos o elétron na próxima vez que olharmos.

Este campo reage ao mundo ao seu redor – digamos, por causa da influência elétrica de um núcleo atômico próximo – e se modifica para mudar onde deveríamos ver o elétron.

Fique por dentro: Astrônomos estão usando ecos de buraco negro para ajudar a mapear o universo

E agora a parte do buraco negro. Na física atômica, você pode descrever completamente uma partícula elementar (como um elétron) em termos de três números: sua massa, seu spin e sua carga elétrica.

Astrônomos descobrem buracos negros binários que têm seu próprio 'elétron'
Foto: (Reprodução/ Internet)

E na física gravitacional, você pode descrever completamente um buraco negro em termos de três números: sua massa, seu spin e sua carga de elétrons.

Veja também: Quanto nossos genes realmente influenciam nosso livre arbítrio?

Coincidência? O júri está decidido sobre isso, mas por enquanto podemos explorar essa semelhança para entender melhor os buracos negros.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte:  ScienceAlert

ANÚNCIO