Associação de voleibol é acusada de ‘discriminação horrível’ por banir menina muçulmana por usar hijab

ANÚNCIO

Uma atleta muçulmana diz que foi proibida de competir em um jogo de vôlei do colégio porque estava usando um hijab.

Najah Aqeel, que frequenta a escola Valor College Prep em Nashville, foi impedida de jogar uma partida por um árbitro que alegou que seu hijab quebrou as “regras uniformes”.

ANÚNCIO

De acordo com Cameron Hill, diretor atlético do Valor College, o árbitro se recusou a permitir que Aqeel participasse, dizendo que seu hijab violou as regras da Federação Nacional de Associações de Ensino Médio do Estado e ela teria que solicitar permissão para competir da Associação Atlética de Escola Secundária do Tennessee.

Imagem
Najah Aqeel, de 14 anos, desqualificada de jogo de vôlei do colégio fora de Nashville, porque ela não apresentou uma renúncia “autorizando-a” a usar o hijab (Najah com seu uniforme completo de vôlei com hijab).

A regra estabelece que “dispositivos de cabelo feitos de material macio e com não mais que sete centímetros de largura podem ser usados no cabelo ou na cabeça”.

Leia também: Especialistas alertam que ainda estamos terrivelmente despreparados para outra pandemia

Nem Aqeel nem seus treinadores do Valor College estavam cientes da regra, nem havia sido invocada para impedi-la de jogar em partidas antes.

ANÚNCIO

Aqeel disse ao HuffPost que ela começou a chorar “de raiva” quando o árbitro decidiu fazer cumprir o regulamento.

Eu estava chorando, não porque estava machucado. Eu estava chorando porque estava com raiva. Eu apenas pensei que era injusto ”, disse ela.

A mãe de Aqeel, Aliya, chamou isso de “uma injustiça”.

“Foi por causa de sua religião”, disse ela. “Foi por causa do hijab dela”.

A escola e a Aqeel estão agora planejando fazer uma petição tanto ao NFHS quanto ao TSSAA para mudar as regras.

iStock

Embora eles tenham conseguido obter permissão para Aqeel jogar, ela chegou 30 minutos após o término do jogo.

A escola de Aqeel ficou igualmente indignada, dizendo que estava “extremamente decepcionada” com a situação e considerando a regra “opressiva” e “discriminatória”.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: Indy 100

 

ANÚNCIO