As vacinas COVID-19 podem não funcionar tão bem contra uma variante sul-africana

ANÚNCIO

Uma variante do coronavírus identificada na África do Sul pode não ser tão vulnerável às vacinas COVID-19 como outras cepas, dizem alguns cientistas.

Estudos estão em andamento para descobrir se esse é realmente o caso.

ANÚNCIO

Se a variante, conhecida como 501.V2, for resistente às vacinas disponíveis, as vacinas podem ser ajustadas para aumentar sua eficácia – ajustes que levariam cerca de seis semanas para serem feitos, disseram os desenvolvedores da vacina.

As vacinas COVID-19 podem não funcionar tão bem contra uma variante sul-africana
Foto: (Reprodução/ Internet).

Esses desenvolvedores incluíram o CEO da BioNTech, Dr. Uğur Şahin, e John Bell, Professor de Medicina Regius da Universidade de Oxford, que estão atualmente executando experimentos com o 501.V2 e a nova variante do coronavírus identificada no Reino Unido, chamada B.1.1.7.

Leia também: O uso de um umidificador pode reduzir suas chances de contrair COVID-19

ANÚNCIO

Esses experimentos são chamados de ensaios de neutralização – experimentos nos quais incubam os vírus com anticorpos e células humanas, para ver se os  anticorpos evitam a infecção, relatou a Associated Press (AP).

As vacinas COVID-19 podem não funcionar tão bem contra uma variante sul-africana
Foto: (Reprodução/ Internet).

Eles estão fazendo os testes com sangue de pessoas vacinadas e daqueles que contraíram o vírus e desenvolveram anticorpos naturalmente, disse à AP o Dr. Richard Lessells, especialista em doenças infecciosas que está trabalhando nos estudos genômicos do 501.V2 na África do Sul.

Em geral, não é surpreendente que variantes como 501.V2 e B.1.1.7 tenham surgido; todos os vírus adquirem mutações à medida que fazem cópias de si mesmos, e o novo coronavírus chamado SARS-CoV-2 não é exceção.

Veja também: O que fazer quando recebermos a vacina contra a COVID-19?

No entanto, enquanto as duas variantes recentemente identificadas compartilham algumas mutações semelhantes, e 501.V2 “tem um número de mutações adicionais… que são preocupantes“, disse Simon Clarke, professor associado de microbiologia celular da Universidade de Reading.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert

ANÚNCIO