As extinções de mamíferos estão acelerando para uma ‘segunda onda’ sem precedentes, alertam os cientistas

ANÚNCIO

Para os olhos inocentes dos animais, o aparecimento de humanos no horizonte representa mais uma ameaça existencial do que a vasta reviravolta ambiental das mudanças climáticas anteriores até agora, sugere uma nova pesquisa.

Fique por dentro: Segundo estudo, demasiado CO2 tem um efeito enervante nas árvores do mundo

De acordo com um novo estudo, extinções de mamíferos que remontam a 126.000 anos atrás tiveram mais a ver com os impactos negativos da humanidade do que quaisquer fatores climáticos anteriores, que parecem prever extinções passadas não melhor do que o acaso.

ANÚNCIO

Pior ainda, os cálculos sugerem que este subproduto mortal da existência humana é um fenômeno que está se acelerando a velocidades nunca antes vistas na pré-história, com a morte de espécies de mamíferos calculada para atingir taxas ainda mais rápidas à medida que nos aproximamos do século 22.

main article image
Sumatran orangutan. (Freder/Getty Images)

Veja também: O estudo da vacina AstraZeneca COVID-19 foi interrompido.

“Com base nas tendências atuais, prevemos para o futuro próximo uma escalada de taxas de magnitude sem precedentes”, explica a equipe de pesquisa , liderada pelo primeiro autor e biólogo computacional Tobias Andermann da Universidade de Gotemburgo, na Suécia, em um novo artigo.

Mamíferos: características e classificação - Toda Matéria
Foto: (Reprodução/ Internet).

Usando modelagem bayesiana , os pesquisadores procuraram avaliar estatisticamente se as extinções de espécies de mamíferos durante os últimos 126.000 anos – desde o início do Pleistoceno Superior – eram mais provavelmente atribuíveis a fatores antropogênicos ou climáticos.

ANÚNCIO

Nesse período, pelo menos 351 espécies de mamíferos foram extintas, embora cerca de 80 delas realmente tenham morrido apenas no último meio milênio, desde o ano 1500 EC.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert

ANÚNCIO