As baleias estão finalmente retornando às regiões polares de nosso planeta após 40 anos

ANÚNCIO

A história sombria da caça às baleias levou muitas espécies à beira da extinção, mesmo nas águas remotas dos pólos norte e sul.

Mais de 1,3 milhão de baleias foram mortas em apenas 70 anos ao redor da Antártica. A escala desta colheita industrial dizimou completamente muitas populações de grandes baleias no Oceano Antártico.

ANÚNCIO

Mas quase 40 anos após o fim da caça comercial às baleias, estamos finalmente vendo sinais de que algumas das espécies mais visadas estão se recuperando.

As baleias estão finalmente retornando às regiões polares de nosso planeta após 40 anos
Foto: (Reprodução/ Internet).

Em um estudo recente, os cientistas relataram que as baleias azuis, antes apreciadas pelos baleeiros por seu tamanho gigantesco, estão aumentando em número nas águas ao redor da ilha subantártica da Geórgia do Sul, com 41 novos indivíduos catalogados nos últimos nove anos.

A Geórgia do Sul viu cerca de 3.000 baleias azuis mortas a cada ano no pico da caça no início do século 20. As águas que cercam a ilha são ricas em krill que essas baleias comem, e os cientistas acreditam que seu retorno seja o arauto de uma “redescoberta” dessa despensa oceânica pelas novas gerações.

ANÚNCIO

Fique por dentro: É hora de redefinir o que significa pesca sustentável

Sinais semelhantes de recuperação foram documentados para baleias jubarte ao redor da Península Antártica Ocidental. No extremo norte, as baleias bowhead ocidentais do Ártico parecem estar se aproximando do número visto pela última vez antes da caça às baleias, enquanto as baleias fin e minke são agora vistas regularmente no Mar de Chukchi, perto do Alasca.

As baleias estão finalmente retornando às regiões polares de nosso planeta após 40 anos
Foto: (Reprodução/ Internet).

Com o fim da indústria baleeira, os mares polares estão entre os melhores lugares para esses gigantes do oceano restabelecerem suas populações. Seus habitats aqui ainda são relativamente intocados e, no momento, contêm suprimentos de alimentos bastante estáveis.

Leia também: A maioria dos animais usados em experimentos, nunca são citados em pesquisas

O Ártico ainda hospeda colheitas de subsistência pelas comunidades indígenas, embora essas caças sejam cuidadosamente administradas.

A suspensão da caça comercial de baleias em 1984 evitou a extinção de grandes baleias nas águas polares, mas não pode protegê-las das novas pressões que surgirão à medida que o aquecimento global remodelar essas regiões. Então, o que essas mudanças rápidas significam para as ainda frágeis recuperações de espécies de baleias polares?

Não vamos estragar isso

As baleias estão finalmente retornando às regiões polares de nosso planeta após 40 anos
Foto: (Reprodução/ Internet).

Nas próximas décadas, as baleias nos pólos enfrentarão várias novas fontes de estresse, desde o aquecimento das águas, interrompendo seu suprimento de alimentos, até a poluição e a pesca comercial.

Com menos gelo marinho e períodos mais longos sem gelo no verão, o acesso mais fácil aos oceanos Ártico e Meridional e seus recursos está tentando muitas indústrias a se expandir ou se estabelecer nessas águas remotas.

Veja também: Autoridades investigam mortes em massa de animais marinhos na costa da Rússia

O tráfego de navios, principalmente no Ártico, está aumentando, e as baleias estão entre as mais vulneráveis ao aumento do ruído e à ameaça potencialmente letal de colisão.

Aprendemos como minimizar os impactos da atividade humana sobre as baleias em águas mais movimentadas fora do Ártico e da Antártica. Como parte de um projeto de pesquisa em andamento financiado pela Comissão Europeia, eu e meus colegas estamos tentando aplicar essas lições no Ártico, para ajudar a proteger as baleias da presença crescente de navios.

As baleias estão finalmente retornando às regiões polares de nosso planeta após 40 anos
Foto: (Reprodução/ Internet).

Sabemos que desacelerar os navios reduz a probabilidade de colisões fatais com baleias e tem o benefício adicional de reduzir a quantidade de ruído que os navios produzem.

Assim como as restrições de velocidade que os planejadores colocam nos centros das cidades movimentadas para reduzir o risco dos carros atingirem os pedestres, podemos criar áreas de desaceleração para navios em locais que sabemos serem usados ​​por baleias.

Saiba mais: Quase 100 baleias-piloto morrem encalhadas em massa nas ilhas da Nova Zelândia

O desafio no Ártico é descobrir onde tais medidas serão mais eficazes, onde são seguras para serem implementadas (o gelo já torna a navegação no Ártico perigosa) e como podemos garantir que tais medidas sejam realizadas quando as pessoas não estão por perto com tanta facilidade monitorar a conformidade.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert

ANÚNCIO