As 10 melhores performances de Robert Pattinson em filmes

ANÚNCIO

Embora tenha aparecido em sucessos de bilheteria como as séries “Harry Potter” e “Crepúsculo”, Pattinson quase parece evitar o entretenimento mainstream, perseguindo cineastas menos conhecidos cujo trabalho o intriga e pulando em filmes feitos sob condições menos que glamorosas.

The Batman | Atriz de Bloodshot lamenta por não ter conseguido o ...
Na verdade, foi um tanto surpreendente quando ele foi anunciado para estrelar como o Cruzado Caped em “O Batman” de Matt Reeves, mesmo que ele se encaixe perfeitamente no projeto.

Como resultado, sua carreira provou ser uma das mais fascinantes de se assistir ao longo dos anos; dir-se-ia que ele gosta de ser escalado de novo, mas realmente não existe um tipo de Robert Pattinson – seria difícil encontrar Winslow de “O Farol” compartilhando muito em comum com o delfim da França de “O Rei”.

ANÚNCIO

 

Nós demos uma olhada na carreira de Pattinson até este ponto, escolhendo suas dez melhores performances em filmes.

10 – Cosmopolis (2012)

A primeira das colaborações de Pattinson com David Cronenberg (ele também apareceu em 2014 “Maps to the Stars”), este pequeno thriller compacto foi uma das primeiras evidências da disposição de Pattinson em se comprometer com um papel, não importa o quão estranho possa ser.

ANÚNCIO

Neste caso, isso incluiu o bilionário de Pattinson Eric Packer recebendo um exame de próstata enquanto ainda falava de negócios e nunca saiu de sua limusine de luxo. Adaptado do romance Don DeLillo (Disponível no Amazon Prime).

Cosmopolis (2012)

9 – Saga Crepúsculo  (2011)

Os céticos podem reclamar o quanto quiserem, mas há uma razão para os filmes de “Crepúsculo” transformarem seus dois protagonistas em estrelas e uma razão pela qual Pattinson venceu incontáveis outros pelo cobiçado papel.

E para aqueles que menosprezam a qualidade do filme – mais uma razão para apreciar os atores que têm que fazer algumas grandes histórias. Enquanto ele passa a maior parte dos três filmes anteriores abatido e sombrio, Amanhecer é onde o vampiro Edward Cullen começa a se dar bem.

Breaking Dawn Part 1

Ele se casa com o amor de sua vida (morte?), Torna-se pai e, no final, perde sua amada esposa. A cena em que ele faz tudo que pode para reviver Bella, incluindo mordê-la para passar seu veneno, é cheia de tristeza e fúria e marca alguns de seus melhores trabalhos em toda a saga. (Disponível no Hulu)

8 – The Rover (2014)

O primeiro filme de Pattinson após a série “Twilight” não deixou dúvidas de que ele é um grande ator. O drama brutal do diretor David Michôd se passa em um futuro sombrio distópico (existe algum outro tipo?), Onde a Austrália foi reduzida a um deserto.

The Rover (2014)

Guy Pearce interpreta Eric, um homem cujo carro é roubado por um trio de fugitivos e que não poupará custos para recuperá-lo. Acompanhando-o está Rey de Pattinson, o irmão de um dos fugitivos que foi deixado para trás para morrer.

Rey é infantil em muitos aspectos e propenso a gagueira e tiques, mas Pattinson nunca sacrifica a credibilidade por exibicionismo. (Disponível no Hulu)

7 – Harry Potter and the Goblet of Fire (2005)

Harry Potter and the Goblet of Fire

Não é uma grande parte, mas importante. Cedric Diggory é o campeão de Hogwarts: bonito, popular, atlético … em teoria, ele deveria irritá-lo com sua perfeição. Mas Cedric também é gentil, sábio e nobre. Mesmo Harry Potter, que o vê como um rival de Cho Chang e do Torneio Tribruxo, não pode deixar de gostar do cara.

Pattinson aparece para seu primeiro grande papel no cinema mais do que a tarefa de incorporar este herói com um charme descontraído.

Quando ele dá a Harry uma dica sobre uma pista com um sorriso caloroso, o público se apaixona por ele tanto quanto Moaning Myrtle.

O diretor Mike Newell sabia que precisava de um ator que pudesse conquistar o afeto do público com um mínimo de tempo na tela para que, quando ele fosse morto, partisse nossos corações.

E as performances de Pattinson deixam a memória de Cedric ressoando pelo resto da série (disponível na HBO Max).

Continuando seu hábito de desafiar e dividir o trabalho com autores, Pattinson assumiu a liderança na estreia de Claire Denis na língua inglesa.

Em partes iguais confusas e sublimes, o filme segue um grupo de prisioneiros do corredor da morte enviados ao espaço para extrair energia de um buraco negro.

Sendo um filme espacial e um filme de Denis, nada de bom está fadado a acontecer, e logo haverá assassinato, suicídio e até espaguetificação.

O Monte de Pattinson não é como os outros – por exemplo, seu crime foi matar a pessoa que matou seu cachorro (de novo, Pattinson e cachorros não se misturam). Ele também é deliberadamente celibatário, o único passageiro a não usar a chamada “caixa f – k” no navio.

High Life

Mas isso não impede que o obcecado Dr. Dibs de Juliette Binoche sedasse e estuprasse Monte, resultando em uma criança. As cenas de Pattinson com sua filha são tão poderosas quanto aquelas que ele tem sozinho, falando sozinho.

Embora o filme seja contado em fragmentos, pulando no tempo, é a performance de Pattinson que o mantém no curso. (Disponível para aluguel em todas as plataformas).

5 – Damsel (2018)

Damsel (2018)

Finalmente, Pattinson se inscreve para fazer uma comédia completa. Claro que sendo Pattinson, é uma pequena comédia estranha e excêntrica que também acontece de ser um faroeste feminista.

Passado na década de 1870, Pattinson é Samuel Alabaster, o ingênuo e apaixonado pretendente à procura de sua amada Penelope (Mia Wasikowska), que foi feita prisioneira.

Com um pregador chamado Henry e um adorável cavalo em miniatura chamado Butterscotch a reboque, Samuel parte em uma jornada cheia de curvas inesperadas, muitas vezes absurdas. Pode ser uma das performances mais alegres de Pattinson, e o ator prova que ele pode interpretar os olhos brilhantes, assim como ele joga taciturno.

O filme de David e Nathan Zellner revela-se em minar tropas e convenções ocidentais, mostrando que nem toda donzela quer ser salva. (Disponível no Hulu)

4 – The King (2019)

Ostentando cabelos longos e fluidos e um sotaque francês que é ridículo ou brilhante (ou ambos), Pattinson aparece como o Delfim da França no terço final desta narrativa da ascensão do jovem Henrique V ao poder.

Robert Pattinson The King

Supõe-se que Pattinson fez o pequeno papel como um favor ao diretor David Michôd, o diretor de “The Rover”, mas é realmente um presente para o público; uma injeção de pura diversão.

E você pode dizer que o ator está se divertindo, provocando o príncipe Hal de Timothee Chalamet com insultos sobre sua genitália que são golpes básicos de pátio de escola, mas ainda mais eficazes com um sotaque francês. “De maneiras que eu totalmente endosso e amo, esse personagem é uma criação de Robert Pattinson”, disse Michôd à Variety.

“O grande medo sempre é que você termine com‘ Monty Python e o Santo Graal ’e sotaques franceses ridículos. Mas ao mesmo tempo, eu meio que precisava que seu personagem fosse meio absurdo. ” (Disponível no Netflix).

3 – The Lost City of Z (2016)

Pattinson se sai bem em filmes sobre obsessão, um exemplo perfeito sendo o conto épico de James Gray sobre o escritório britânico Percy Fawcett (Charlie Hunnam) em busca de uma cidade antiga na selva brasileira.

Pattinson interpreta seu leal ajudante de campo, Cabo Henry Costin, que repetidamente resgata Fawcett sem alarde; ele nem mesmo precisa se levantar para salvar Fawcett de um tripulante rebelde.

É uma forte reviravolta coadjuvante que lembra a você que ele pode ser o protagonista, mas também é um ótimo ator.

Embora igualmente obcecado e motivado, Costin consegue evitar encontrar respostas no final, dizendo a Fawcett “Não posso mais suportar o custo”. E é uma escolha que provavelmente salvou sua vida. (Disponível no Amazon Prime)

Quando seu filme é um show de dois homens e o outro ator é Willem Dafoe, é melhor trazer seu jogo A. Pattinson fez isso e muito mais, se jogando totalmente no papel de um faroleiro júnior caindo na loucura quando preso em uma pequena ilha com um chefe exigente e flatulento.

Cantando favelas do mar com abandono, nunca deixando de lado seu sotaque do Maine, e ostentando uma barba impressionante, Pattinson se compromete com a escuridão e até encontra humor no papel.

Robert Pattinson The Lighthouse Best Actor

Fã de “The Witch”, de Robert Eggers, Pattinson falou pessoalmente com o cineasta sobre uma colaboração e espera-se que ele tenha encontrado um parceiro para o qual volte sempre, enquanto o diretor pressiona seu ator a ir para a falência, bastante literalmente derramando suas entranhas na tela. (Disponível no Amazon Prime)

1 – Good Time (2016)

Uma performance perfeitamente calibrada, Pattinson chamou todo o talento, charme, risco e comprometimento visto em seu trabalho anterior para trazer o papel da assaltante de banco Connie Nikas à vida para o thriller enervante e implacável de Josh e Benny Safdie.

Há sombras da determinação fria vista em “Cosmópolis” quando Connie tira seu irmão Nick (interpretado por Benny Safdie) de uma sessão de terapia para ajudá-lo em um assalto.

O charme de Cedric Diggory está à mostra enquanto ele fala com ternura tanto com sua namorada quanto com um estranho que ele conhece em um ônibus para pedir ajuda.

E a determinação obstinada que se transforma em desespero à medida que as coisas se desenrolam que pinta tantos de seus personagens está totalmente em exibição enquanto a noite de Connie em fuga se desenrola.

Good Time (2016)

Pattinson também mostra suas habilidades cômicas subutilizadas; sua reação ao ver seu rosto no noticiário enquanto assistia à TV com a neta do estranho que o acolheu é um momento de risada. (Disponível no Netflix)

Traduzido e adaptado por equipe Saibama.is

Fonte: Variety

 

ANÚNCIO