Artefato de pirâmide extremamente raro, de 5.000 anos, descoberto em uma lata de charuto extraviada

ANÚNCIO

Um dos apenas três artefatos já recuperados de dentro da Grande Pirâmide do Egito foi encontrado em uma lata de charuto perdida em uma coleção de uma universidade escocesa, revelaram acadêmicos na quarta-feira.

O fragmento de madeira de cedro, encontrado há 5.000 anos antes da construção da pirâmide de Gizé, foi descoberto pela primeira vez no final do século 19, mas estava desaparecido há mais de 70 anos.

ANÚNCIO

Um registro descoberto em 2001 parecia mostrar que o fragmento – encontrado ao lado de uma bola e um gancho de bronze que se pensava ser usado para construção  –  havia sido doado à Universidade de Aberdeen.

Artefato de pirâmide extremamente raro, de 5.000 anos, descoberto em uma lata de charuto extraviada
Foto: (Reprodução/ Internet).

Mas a trilha esfriou e o antigo artefato desapareceu quase sem deixar vestígios até o final do ano passado, quando um curador assistente da universidade, Abeer Eladany, originalmente do Egito, fez uma descoberta casual em sua coleção da Ásia.

Leia também: Ameba mortal que “devora o cérebro” lentamente, está se expandindo nos EUA e assustando a população local

ANÚNCIO

Sabendo que uma pequena lata de charuto que ela encontrou com uma velha bandeira egípcia não pertencia às outras peças, ela a cruzou com outros registros.

O fragmento  –  inicialmente medindo cinco polegadas ou cerca de 13 centímetros, mas agora em várias partes  –  foi descoberto pela primeira vez na Câmara da Rainha da Grande Pirâmide em 1872 pelo engenheiro Waynman Dixon.

Artefato de pirâmide extremamente raro, de 5.000 anos, descoberto em uma lata de charuto extraviada
Foto: (Reprodução/ Internet).

Ele chegou à cidade escocesa por causa de uma ligação entre Dixon e um médico chamado James Grant, que estudou em Aberdeen e foi ao Egito para tratar a cólera em meados da década de 1860.

Mais evidências de que o pedaço de madeira perdido, bem como os outros itens conhecidos como “relíquias de Dixon”, poderiam ter sido usados ​​na construção da Grande Pirâmide, vieram à luz após testes modernos no artefato.

Fique por dentro: Um teste de olfato pode dizer se você precisa ser testado para COVID-19

Os resultados da datação por carbono, atrasados ​​pelas restrições do coronavírus, colocaram a madeira em algum lugar entre 3341 e 3094 aC, muito antes da construção da pirâmide.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert

ANÚNCIO