Ameba mortal que “devora o cérebro” lentamente, está se expandindo nos EUA e assustando a população local

ANÚNCIO

Mortal “cérebro-comendo ameba” infecções têm historicamente ocorreu no sul dos Estados Unidos. Mas os casos têm aparecido mais ao norte nos últimos anos, provavelmente por causa da mudança climática, descobriu um novo estudo.

Os pesquisadores do estudo, dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), examinaram casos dessa ameba comedora de cérebro, conhecida como Naegleria fowleri, durante um período de quatro décadas nos Estados Unidos.

ANÚNCIO

Eles descobriram que, embora o número de casos que ocorrem a cada ano tenha permanecido quase o mesmo, a extensão geográfica desses casos tem mudado para o norte, com mais casos surgindo nos estados do Meio-Oeste do que antes.

Foto: (Reprodução/ Internet).

N. fowleri é um organismo unicelular encontrado naturalmente em água doce quente, como lagos e rios, de acordo com o CDC. Causa uma infecção cerebral devastadora conhecida como meningoencefalite amebiana primária (PAM), que é quase universalmente fatal.

Fique por dentro: Um teste de olfato pode dizer se você precisa ser testado para COVID-19

ANÚNCIO

As infecções ocorrem quando a água contaminada sobe pelo nariz de uma pessoa, permitindo que o organismo entre no cérebro através dos nervos olfativos (responsáveis ​​pelo olfato) e destrua o tecido cerebral. Engolir água contaminada não causará infecção, afirma o CDC.

Porque N. fowleri se desenvolve em águas quentes, até 113 graus Fahrenheit (45 graus Celsius), é possível que o aquecimento global possa afetar a distribuição geográfica dos organismos, disseram os autores.

85 casos da doença foram estudados

Eles identificaram um total de 85 casos de N. fowleri  que atendiam aos seus critérios para o estudo (ou seja, casos vinculados à exposição recreativa à água e incluíam dados de localização).

Durante esse tempo, o número de casos relatados anualmente foi razoavelmente constante, variando de zero a seis por ano.

A grande maioria dos casos, 74, ocorreu nos estados do sul; mas seis foram relatados no meio-oeste, incluindo Minnesota, Kansas e Indiana. Destes seis casos, cinco ocorreram depois de 2010, disse o relatório.

Foto: (Reprodução/ Internet).

Além do mais, quando a equipe usou um modelo para examinar tendências na latitude máxima de casos por ano, eles descobriram que a latitude máxima havia mudado cerca de 8,2 milhas (13,3 quilômetros) para o norte por ano durante o período de estudo.

Leia também: Terapia experimental injetada em um olho melhora inesperadamente a visão no outro

Por fim, os pesquisadores analisaram os dados meteorológicos em torno da data em que cada caso ocorreu e descobriram que, em média, as temperaturas diárias nas duas semanas anteriores a cada caso eram maiores do que a média histórica para cada local.

Os esforços para caracterizar os casos de PAM, como saber quando e onde esses casos ocorrem, e estar ciente das mudanças em sua distribuição geográfica, podem ajudar a prever quando é mais arriscado visitar piscinas naturais, disseram os autores.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert

ANÚNCIO