A missão da Voyager encontra um novo tipo de explosão de elétrons no limite de nosso sistema solar

ANÚNCIO

As sondas Voyager deixaram nosso Sistema Solar anos atrás , mas mesmo enquanto viajam pelo espaço interestelar, ainda estão detectando rajadas de raios cósmicos de nosso Sol, a mais de 23 bilhões de quilômetros (14 bilhões de milhas) de distância.

Uma análise detalhada dos dados recentes da Voyager 1 e Voyager 2 agora revelou as primeiras explosões de elétrons de raios cósmicos no espaço interestelar.

ANÚNCIO

Carregadas para as periferias de nosso Sistema Solar pelas ondas de choque de erupções solares conhecidas como ejeções de massa coronal, essas partículas energizadas parecem acelerar mesmo além das fronteiras dos poderosos ventos do nosso Sol.

imagem do artigo principal
Foto: (Reprodução/ Internet)

A superfície do nosso sol emite continuamente vento solar – um fluxo de partículas carregadas na forma de plasma, que gera um campo magnético associado. 

É difícil definir os limites do nosso Sistema Solar, mas a ‘bolha’ criada pelo vento solar e o material que ele carrega é chamada de heliosfera.

ANÚNCIO

Saiba mais: NASA encontra dunas de areia de bilhões de anos preservadas em Marte

Eventualmente, este vento solar, tendo passado por todos os planetas e objetos em nosso Sistema Solar, espalha-se no meio interestelar. Isso é o que define amplamente os limites do nosso Sistema Solar.

Além do campo magnético do Sol, no frio do espaço interestelar onde as condições são muito diferentes, não está claro o que acontece com o plasma solar e os raios cósmicos que conseguem chegar tão longe quando carregados por uma onda de choque.

Um novo modelo

Como funciona: Satélite – Energia Inteligente
Foto: (Reprodução/ Internet)

As sondas Voyager estão finalmente nos dando a oportunidade de descobrir mais. Os astrônomos estão agora propondo um novo modelo para o que acontece com essas ondas de choque no espaço interestelar.

Tudo começa, dizem eles, com uma erupção massiva na superfície do Sol, que envia uma onda de choque quase esférica para o Sistema Solar.

Leia também: Astrônomos mapearam estrelas até o Anticentro da Via Láctea

Quando uma onda de energia seguida por plasma de uma ejeção de massa coronal atinge o espaço interestelar, a onda de choque impulsiona raios cósmicos de alta energia para atingir o campo magnético tangente gerado pela onda, e outro choque os reflete e acelera para o estado de energia superior, como detectado pela Voyager.

Astroscale lançará satélite inovador para remover lixo espacial – Portal  dos Residuos
Foto: (Reprodução/ Internet)

O plasma aquece elétrons de baixa energia que se propagam ao longo de campos magnéticos. Em alguns casos, os dados das Voyagers sugerem que demorou até um mês para que o plasma se equiparasse à onda de choque que avançava.

Leia também: NASA revela planos de comprar poeira da lua nova, saiba mais sobre

É uma descoberta empolgante que se encaixa bem com outros dados recentes. Desde que cruzaram a heliosfera, as sondas Voyager enviaram medições que sugerem que há um campo magnético mais forte além da heliopausa do que pensávamos – possivelmente o suficiente para os elétrons na frente de uma onda de choque ricochetearem e acelerar ainda mais.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert

ANÚNCIO