A humanidade está se precipitando para um ‘futuro medonho’ que não compreende, alertam os cientistas

ANÚNCIO

A emergência não é invisível. Mas isso não significa que podemos ver.

Depois de décadas de inação e ação ineficaz no declínio da biodiversidade, mudança climática e poluição, a civilização está à beira de um “futuro medonho” que gravemente subestimou, uma equipe internacional de especialistas científicos avisa em um novo estudo enervante publicado esta semana.

ANÚNCIO

Se a linguagem grandiosa parece quase hiperbólica, é apenas por causa dos riscos incrivelmente altos do que realmente estamos falando aqui.

Foto: (Reprodução/ Internet).

 

Embora os autores saibam muito bem que suas avaliações serão negadas, atacadas e ridicularizadas em muitos setores, o conhecimento não elimina a eles – ou à comunidade científica que representam – da responsabilidade de compartilhar as notícias.

ANÚNCIO

Leia também: Por que 2021 pode ser um ponto de virada para enfrentar as mudanças climáticas

De acordo com a pesquisa da equipe – uma revisão de mais de 150 estudos sobre diferentes aspectos do agravamento do estado do mundo natural – os problemas centrais que enfrentamos são os sistemas econômicos e políticos centrados no consumo humano insustentável e no crescimento populacional em detrimento de tudo o mais.

O mundo e sua biodiversidade

As raízes da perda de biodiversidade podem ser rastreadas cerca de 11.000 anos até o início da agricultura, mas o problema tem se acelerado enormemente nos últimos séculos devido às pressões cada vez maiores colocadas sobre os ecossistemas naturais, a ponto de a realidade de uma sexta grande extinção ser agora cientificamente inegável, escrevem os pesquisadores.

Ao mesmo tempo, a população humana global continua crescendo, dobrando desde 1970, com estimativas sugerindo um pico populacional de quase 10 bilhões até o final do século.

Foto: (Reprodução/ Internet).

 

Por sua vez, espera-se que essa pegada humana em constante expansão acelere e piore a insegurança alimentar existente, a degradação do solo, o declínio da biodiversidade, a poluição, a desigualdade social e os conflitos regionais.

Esse enorme excesso ecológico é amplamente possibilitado pelo uso crescente de combustíveis fósseis“, escrevem os pesquisadores.

Leia também: 10 Soluções para salvar o planeta

“Esses combustíveis convenientes nos permitiram desacoplar a demanda humana da regeneração biológica: 85% da energia comercial, 65% das fibras e a maioria dos plásticos agora são produzidos a partir de combustíveis fósseis.”

Apesar de tudo isso ser considerado conhecimento científico estabelecido, a vida humana em grande parte continua como se não fosse, dizem os pesquisadores.

Mudanças climáticas

Foto: (Reprodução/ Internet).

 

Mesmo a mudança climática, que é uma ameaça muito mais visível do que a perda de biodiversidade, parece ser muito difícil para as sociedades humanas enfrentarem, com o aumento das concentrações de gases de efeito estufa e as falhas contínuas das nações em reduzir efetivamente suas emissões ou estabelecer metas climáticas eficazes.

Contra o cenário sombrio de tais ameaças existenciais, os eleitorados estão cada vez mais abraçando líderes populistas de direita com agendas anti-ambientais que apenas intensificam as pressões existentes, enquanto perpetuam falsos paradigmas que ligam o ‘meio ambiente’ à ‘economia’.

Leia também: Dicas para estimular o cérebro a produzir substâncias relacionadas a felicidade

A longo prazo, os autores dizem que estamos olhando para um “futuro horrível de extinção em massa, declínio da saúde e transtornos climáticos (incluindo iminentes migrações em massa) e conflitos de recursos”, se não formos capazes de mudar o curso da sociedade humana em uma direção que evita extinções e restaura ecossistemas.

Apesar do aparente fatalismo dessa avaliação alarmante, os pesquisadores insistem que não se trata de um chamado à rendição, mas de um “banho frio” que a humanidade e seus líderes parecem precisar desesperadamente – uma verificação brutal da realidade para tirar as pessoas de sua inércia sonolenta e perigosa.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert e Frontiers in Conservation Science 

ANÚNCIO