A hashtag que uniu milhões de mulheres contra abusos

ANÚNCIO

Uma simples hashtag uniu mulheres em todo o mundo após as alegações de Harvey Weinstein que abalaram Hollywood.

Grito de liberdade

A estrela de TV Alyssa Milano, que foi vocal no Twitter após as alegações bombásticas contra o magnata do cinema, pediu às mulheres que respondessem #MeToo nas redes sociais e adicionassem suas histórias de assédio e discriminação sexual.

ANÚNCIO

Alguns dos maiores nomes do entretenimento se juntaram à campanha, incluindo Lady Gaga e Ellen DeGeneres.

O resto do mundo segue, com 12 milhões de pessoas no Facebook e 650.000 no Twitter em apenas 24 horas, todos solidários com suas próprias experiências de assédio e abuso sexual.

Uma questão relevante porém quase nunca pontuada

O objetivo foi mostrar o quão difundida a questão não está apenas no show business, mas em toda a sociedade.

ANÚNCIO
Foto: (reprodução/internet)

Enquanto isso, as convocações de mulheres em Hollywood continuam, com estrelas como Jennifer Lawrence e Reese Witherspoon expondo seus supostos encontros com figuras predatórias do setor durante o Elle Women in Hollywood Awards.

– Alguns dos relatos

Lawrence descreveu um line-up com outras atrizes, com apenas “adesivos cobrindo nossas partes íntimas”.

“Depois dessa formação degradante e humilhante, a produtora me disse que eu deveria usar as fotos nuas minhas como inspiração para minha dieta”, disse ela.

Witherspoon afirmou ter sido agredida por um diretor aos 16 anos.

Foto: (reprodução/internet)

E as declarações de Weinstein continuam.

O irmão de Weinstein, Bob, disse que Harvey era um homem “muito doente” e um “mentiroso de classe mundial”.

Mas agora ele também está sentindo as coisas esquentarem depois que uma showrunner do programa de drama The Mist acusou Bob Weinstein de persegui-la continuamente para jantar com ele.

Foto: (reprodução/internet)

 

Traduzido e adaptado por equipe Saibama.is
Fonte: 9news.

ANÚNCIO