A apatia pode ser um indicador precoce de demência, anos antes de aparecerem outros sintomas

ANÚNCIO

Todos nós temos dias em que lutamos para sair da cama. Mas a preguiça cotidiana não deve ser confundida com apatia – uma incapacitante falta de interesse, emoção ou motivação – que uma nova pesquisa sugere que pode ser um marcador precoce de demência em famílias em risco.

Acompanhando 600 pessoas por dois anos, um novo estudo descobriu que a apatia ocorreu cedo, piorou com o tempo e previu um declínio na função cerebral em pessoas que herdaram um risco genético de demência, mas eram saudáveis.

ANÚNCIO

Existem muitas formas de demência, que é um termo genérico para um conjunto de sintomas causados ​​por distúrbios cerebrais.

A apatia pode ser um indicador precoce de demência, anos antes de aparecerem outros sintomas
Foto: (Reprodução/ Internet). 

Embora todas as formas sejam debilitantes e a doença de Alzheimer seja a mais comum, este estudo concentra-se em apenas uma: a demência frontotemporal (DFT), que costuma ser diagnosticada entre 45 e 65 anos de idade.

Saiba mais: Nosso mundo realmente ficou mais quieto durante a pandemia, revela estudo

ANÚNCIO

A demência, coletivamente, afeta cerca de 50 milhões de pessoas em todo o mundo, e os fatores de risco são bem conhecidos: a idade é o número um, além de problemas de saúde cardíaca e inatividade física, principalmente na meia-idade, podem aumentar o risco.

Reconhecer quando a demência se instala continua sendo um grande desafio

Muitas pesquisas estão focadas diretamente em compreender como a demência se desenvolve em seus estágios iniciais – procurando o surgimento de seus primeiros sintomas sutis, que podem variar.

Encontrar os primeiros sinais de alerta de demência significa que os médicos e as famílias teriam a chance de intervir, ainda não com uma prevenção ou cura, mas para ajudar as pessoas a obter os cuidados de suporte de que precisam, se e quando forem diagnosticadas com a doença.

A apatia pode ser um indicador precoce de demência, anos antes de aparecerem outros sintomas
Foto: (Reprodução/ Internet). 

Também pode ser usado para melhorar o desenho de ensaios clínicos que recrutem pessoas com demência inicial.

Os pesquisadores observaram como a apatia piorou entre os portadores do gene FTD e suas habilidades cognitivas se deterioraram ao longo de dois anos, mais do que outros membros da família no estudo e mais severamente em participantes mais velhos.

Leia também: Pessoas solitárias têm uma assinatura cerebral diferente, que pode ajudar a preencher um vazio social

Tudo isso pode parecer promissor, que a apatia pode prever o início da demência, mas lembre-se, o estudo olhou especificamente para a apatia em pessoas com um fator de risco genético identificável para FTD e nenhuma outra forma de demência, e não na população em geral.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: ScienceAlert

ANÚNCIO