A administração de Trump ameaça intensificar a pressão contra o Irã e a Venezuela na corrida para as eleições de 2020

ANÚNCIO

Autoridades americanas alertaram que aumentarão drasticamente a pressão global sobre o Irã nos próximos dias, impondo sanções para bloquear o envio de armas e energia para Teerã.

Tal movimento levanta a possibilidade de navios de guerra americanos pararem os navios de carga iranianos em águas internacionais, o que seria mais uma escalada das tensões entre os dois países, na corrida para a eleição presidencial dos EUA mais controversa da história recente.

ANÚNCIO

O hawkish enviado dos EUA ao Irã e à Venezuela Elliott Abrams disse que Washington definiria medidas nos próximos dias para impor sanções contra a República Islâmica – bem como medidas semelhantes contra Caracas, onde os EUA apóiam a oposição contra o regime de Nicolas Maduro – um aliado de Teerã.

Trump anunciou um 'retrocesso' das sanções contra o Irã no início deste ano
Trump anunciou um ‘retrocesso’ das sanções contra o Irã no início deste ano (Getty Images)

A pressão adicional seria uma violação da decisão do Conselho de Segurança das Nações Unidas de rejeitar a tentativa dos EUA de reimpor sanções brutais ao Irã que foram removidas como parte do Plano de Ação Conjunto Conjunto de 2015, o acordo nuclear.

O governo de Donald Trump tem apenas alguns meses restantes em seu primeiro e possivelmente último mandato. Mas os EUA podem ver qualquer movimento contra o antigo inimigo do Irã como um movimento potencialmente popular para alguns eleitores.

ANÚNCIO

Veja também: O estudo da vacina AstraZeneca COVID-19 foi interrompido.

Abrams, que recentemente assumiu a política do Irã das mãos de Brian Hook, é conhecido por seu aventureirismo em política externa.

Certa vez, ele foi condenado por sua participação em um esquema para usar os lucros da venda ilegal de armas ao Irã para financiar milícias centro-americanas acusadas de crimes de guerra. Ele foi mais tarde perdoado.

Alguns temem que a aplicação das sanções possa fazer com que navios de guerra dos EUA parem navios de carga iranianos ou com destino ao Irã em águas internacionais.

Veja também: Coronavírus: OMS alerta para situação ‘muito séria’ na Europa, já que os casos semanais chegam a 300.000 pela primeira vez

Muitos funcionários questionaram o raciocínio legal do governo Trump para endurecer as sanções. Segundo sua interpretação, todas as duras sanções da ONU em vigor contra o Irã antes do acordo nuclear de 2015 devem voltar a vigorar porque Washington exige um “retorno imediato”.

O petroleiro iraniano 'Fortune' atraca em Puerto Cabello, na Venezuela
O petroleiro iraniano ‘Fortune’ atraca em Puerto Cabello, na Venezuela (Ministério do Poder Popular da Venezuela)

Essas restrições incluem limites ao desenvolvimento de mísseis do Irã e enriquecimento de urânio, que permanecem sob salvaguardas internacionais, apesar de Washington ter se retirado de um acordo internacional para monitorar o programa nuclear do Irã em 2018.

Até agora, Teerã só enriqueceu urânio para alimentar os níveis de reator. O Irã alertou que qualquer reimposição das sanções pré-2015 teria consequências terríveis.

Fique por dentro: Veja como é calculado o Score do CPF e descubra como aumentar

Outros países envolvidos no acordo nuclear, Reino Unido, França, China, Alemanha e Rússia, afirmam que os EUA não podem acionar o snapback porque se retiraram do acordo.

Embora Trump muitas vezes se tenha descrito como o presidente que encerraria as guerras dos Estados Unidos no exterior, seus cálculos podem mudar se ele decidir que um confronto militar com um adversário de longa data ajudaria a reunir os eleitores.

Traduzido e adaptado por equipe Saibamais

Fonte: INDEPENDENT

 

 

ANÚNCIO