Poluição por mercúrio chegou a 11.000 metros abaixo da superfície marítima, afirmam novos estudos

A poluição do mercúrio causada pelo homem atingiu o fundo da parte mais profunda do oceano, descobriram os cientistas.

Fossa das Marianas: poluiçãoDois grupos de cientistas da China e dos EUA encontraram mercúrio tóxico em peixes e crustáceos que vivem a mais de 11.000 metros abaixo da superfície do oceano na Fossa das Marianas.

“Isso é uma surpresa”, disse Ruoyu Sun, que liderou um grupo de pesquisadores da Universidade de Tianjin, na China. “Pesquisas anteriores concluíram que o metilmercúrio era produzido principalmente nas poucas centenas de metros do oceano.

“Isso teria uma bioacumulação limitada de mercúrio, garantindo que os peixes que forrageiam mais do que isso tivessem uma oportunidade limitada de ingerir o metilmercúrio. Com este trabalho, agora acreditamos que isso não é verdade”.

Poluição chegando ao fundo do oceano

O mercúrio pode se concentrar nos organismos marinhos, pois pequenas quantidades são ingeridas por algumas espécies, que por sua vez são consumidas por espécies maiores, resultando em concentrações mais nocivas do metal líquido acumulando-se nos animais mais altos da cadeia alimentar.

ANÚNCIO

A equipe do Dr. Sun usou um veículo de alto mar para capturar animais entre 7.000 e 11.000 metros e coletar amostras de sedimentos entre 5.500-9.200 metros.

“Somos capazes de apresentar evidências inequívocas de isótopos de mercúrio de que o mercúrio na fauna de trincheiras se origina exclusivamente do metilmercúrio do alto oceano”, disse o Dr. Suns.

“Podemos dizer isso por causa da impressão digital isotópica distintiva que a marca como proveniente do alto oceano”.

Uma segunda equipe de pesquisa, liderada pelo Dr. Joel Blum da Universidade de Michigan, amostrou peixes e crustáceos de duas das fossas mais profundas do Pacífico – a Kermadec, perto da Nova Zelândia, e a das Marianas, nas Filipinas.

Eles descobriram que o mercúrio encontrado nas espécies de fossas em ambos os locais era em grande parte derivado da atmosfera e havia entrado no oceano por meio de chuvas.

Diagnósticos preocupantes

O Dr. Blum disse: “Sabemos que esse mercúrio é depositado da atmosfera na superfície do oceano e depois transportado para o oceano profundo nas carcaças de peixes e mamíferos marinhos, bem como em pequenas partículas.

Mercury can become concentrated in marine organisms as small amounts are ingested by some species which in turn are eaten by larger species“Identificamos isso medindo a composição isotópica do mercúrio, o que mostrou que o mercúrio no fundo do oceano era igual ao dos peixes encontrados a cerca de 400-600m de profundidade no Pacífico Central. Parte desse mercúrio é produzido de forma natural, mas é provável que grande parte seja proveniente da atividade humana.”

“Este trabalho mostra que o mercúrio liberado pelo homem atingiu e entrou nas teias alimentares mesmo nos ecossistemas marinhos mais remotos do planeta. Esse melhor entendimento da origem do mercúrio nas regiões mais profundas do oceano ajudará a modelar o destino do mercúrio na atmosfera e nos oceanos”.

O professor Ken Rubin, pesquisador independente do Departamento de Ciências da Terra da Universidade do Havaí, disse: “Sabemos que o mercúrio é introduzido no meio ambiente a partir de uma variedade de fontes naturais, como erupções vulcânicas e incêndios florestais.”

“No entanto, atividades humanas, como queima de carvão e petróleo, mineração e manufatura, são as principais responsáveis ​​pela deposição de mercúrio em ambientes marinhos. Agora estamos aprendendo com esses dois estudos que os efeitos dessa deposição se espalharam pelo oceano para o fundo do mar e para os animais que ali vivem, o que é mais um indicador do profundo impacto das atividades humanas modernas no planeta.”

Traduzido e adaptado pela equipe SM

Fonte: Independent

ANÚNCIO