Funerais no Espaço: Empresas americanas prometem poder mandar suas cinzas pra fora da Terra

Os serviços funerários espaciais oferecidos pela Celestis e pela Aura Flights darão às pessoas a chance de enviar os restos de seus entes queridos para o espaço em uma jornada final épica.

EspaçoSegundo o último relatório da CNET, algumas pessoas já estão se valendo do serviço funerário espacial. Um deles era Steven Schnider, que costumava levar sua esposa para fora apenas para olhar as estrelas à noite.

Segundo o relatório, Steven era um fã do espaço; sempre apontando tudo, desde cometas, satélites a planetas. Ele também rastreava os corpos celestes usando um aplicativo chamado Heavens Above.

“Ele dizia: ‘Você vê?’ Está bem ali. E seria o pedacinho de luz mais fraco atravessando o céu “, lembrou Christine.“Ele estava tão empolgado com isso”, disse ela no relatório.

Havia um consenso entre os membros da família de Steven, quando ele estava perto da morte em 2017, de que um enterro no espaço seria a melhor maneira de se despedir.

ANÚNCIO

Eles descobriram a Celestis, uma empresa que oferece serviços funerários espaciais.

Uma parte das cinzas de Steven, juntamente com os restos cremados de mais de 150 outros clientes da Celestis, foram enviados para o espaço em junho passado.

As cinzas foram lançadas na órbita do planeta a bordo do foguete Falcon Heavy da SpaceX, lançado a partir do Kennedy Space Center, localizado na Flórida.

Uma ultima viagem ao espaço

A Celestis é uma das empresas que oferece uma variedade de experiências, da órbita terrestre e opções de espaço profundo, ao serviço Earth Rise que lançará as cinzas de alguém no espaço e depois as trará de volta.

O funeral espacial custa entre US$ 2.500 e US$ 12.500; o custo médio de um funeral normal nos Estados Unidos é de cerca de US $ 9.000.

Clientes de alto nível, incluindo o astronauta Gordon Cooper e o criador de Star Trek, Gene Roddenberry, foram atraídos pelo serviço espacial. Aura Flights, Elysium Space e outras empresas estão oferecendo os mesmos serviços.

Charles Chafer, co-fundador e CEO da Celestis, afirmou que as crescentes taxas de cremação e uma ênfase cada vez menor nas tradições religiosas e culturais ajudaram os memoriais espaciais a se tornarem cada vez mais populares.

“A noção de ‘Enterre-me ao lado do meu avô na trama da família em uma igreja’ não funciona em uma sociedade móvel. As pessoas procuram alternativas”, disse Chafer.

As cinzas enviadas ao espaço pelos voos da Celestis são consideradas “carga útil secundária”, uma vez que são implantadas em órbita, a bordo de uma espaçonave de fornecedores comerciais que se dirigem ao espaço para outras missões.

A Celestis teve 16 implantações em locais como as Ilhas Marshall, Ilhas Canárias e Cabo Canaveral. Também há mais cinco lançamentos programados para os próximos dois anos.

“O ritmo está se acelerando à medida que as tendências estão se acelerando”, disse Chafer.

Traduzido e adaptado pela equipe SM

Fonte: TechTimes

ANÚNCIO