CarbonCure: a empresa que quer mudar a forma de fazer concreto e poque voce deveria se importar

Se você se encontra neste momento em uma cidade de qualquer tamanho, dê uma olhada pela janela. A maior parte do que você vê é feita com um único material, que domina nosso mundo: concreto.

Por que o concreto é tão prejudicial?

O concreto compõe a maior parte de praticamente todas as torres de escritórios, shopping centers, rodovias e aeroportos da Terra.

Produzimos dezenas de bilhões de toneladas de material todos os anos – o suficiente para construir uma parede de 30 metros ao redor do equador.

E esse número certamente aumentará nos próximos anos, à medida que as cidades continuam crescendo na China, Nigéria e outras nações em rápido desenvolvimento.

O concreto é maravilhosamente útil, mas tem um custo elevado: a indústria que produz cerca de 8% de todas as emissões anuais de carbono.

ANÚNCIO

Para ser mais preciso, é a produção de cimento – a cola que une areia e cascalho para formar concreto – que é o problema. Ou melhor, dois problemas.

Para fazer cimento, você coloca calcário e outros minerais em um forno e os assa a até 1.500 °C. Problema um: o calor para esses fornos é normalmente gerado pela queima de carvão ou outros combustíveis fósseis.

Problema dois: O processo químico gerado pelo calor que resulta no pó cinza fino que chamamos de cimento também gera dióxido de carbono gasoso como subproduto, que é transportado para a atmosfera.

Essas emissões aumentam. Se o negócio de cimento fosse um país, seria o terceiro maior produtor mundial de gases de efeito estufa, atrás apenas da China e dos Estados Unidos.

Não surpreende, portanto, que pesquisadores e empresários de todo o mundo estejam trabalhando em projetos para tornar o concreto mais limpo.

Resolvendo o problema: Conheça a CarbonCure

As mais promissoras são algumas empresas que se concentram em tornar o processo de fabricação de concreto não apenas um problema menor, mas parte da solução.

A atual líder do segmento é uma empresa chamada CarbonCure Technologies. O objetivo é alterar a química desse mar de concreto de maneira leve, mas significativa.

A CarbonCure é sediada em um prédio de dois andares com paredes de alumínio, em um modesto parque industrial nos arredores de Halifax, uma pequena cidade do Canadá.

Toda a equipe da CarbonCure poderia caber em um ônibus escolar. No comando, está um engenheiro  amável de 42 anos chamado Robert Niven.

Como um estudante de engenharia civil na Universidade McGill de Montreal, no meio da década, ele entrou em um programa de pesquisa destinado a descobrir como o carbono poderia ser usado para ajudar a fazer concreto, substituindo parte do cimento usado no processo.

O conceito não era exatamente novo, mas ninguém havia descoberto como fazê-lo efetivamente em escala. Niven olhou o problema através das lentes de um químico, pesquisando exatamente como ele poderia funcionar no nível atômico.

Um ano antes de se formar, Niven foi a uma conferência da ONU sobre mudanças climáticas em Montreal. Ele ficou deslumbrado com a energia dos 10.000 participantes que invadiram a cidade.

Dois anos depois, Niven se mudou para Halifax para ficar com sua então namorada, agora esposa.

Seu pai era um empresário de sucesso, com uma propensão a projetos de nicho verde, como luzes marinhas movidas a energia solar, e ele ajudou Niven a ver como suas idéias podiam ser transformadas em um negócio.

Com esse conselho – e um pouco de dinheiro – de seu futuro sogro, além de US$ 10.000 em empréstimos para estudantes, Niven lançou o CarbonCure em 2007.

O conceito: desenvolver um sistema para substituir parte do cimento usado na fabricação de concreto por dióxido de carbono , reduzindo as emissões e absorvendo carbono. Sem mencionar a economia de dinheiro.

Traduzido e adaptado pela equipe SM

Fonte: Wired

ANÚNCIO