Festival de Cannes não será digital, mesmo com a ameaça do COVID-19

Organizadores dos Festivais de Cannes e Veneza se recusam a adotar as soluções digitais para contornar os efeitos da pandemia de coronavírus.

ANÚNCIO

Diante da pandemia de coronavírus, o Festival de Cinema de Cannes não seguirá o caminho virtual se não puder ser realizado como um evento físico, confirmou o diretor do festival, Thierry Fremaux.

Thierry Fremaux

Por que Cannes não pode ser digital?

“(Para) Cannes, sua alma, sua história, sua eficiência, seria um modelo que não funcionaria. O que é um festival digital? Uma competição digital? Deveríamos começar perguntando aos detentores de direitos se eles concordam ”, disse Fremaux à Variety.

ANÚNCIO

“Filmes de Wes Anderson ou Paul Verhoeven em um computador? Descobrindo ‘Top Gun 2’ ou ‘Soul’ em outro lugar que não no cinema? Esses filmes foram adiados para serem exibidos em uma tela grande; por que quereríamos mostrá-los antes, em um dispositivo digital? ” disse Fremaux, citando alguns títulos que estão na disputa para a próxima edição.

Houve um ponto de interrogação gigante em torno da edição 2020 do Festival de Cannes desde o início de março, quando o surto de coronavírus se tornou um problema global.

Após semanas de especulação, os organizadores adiaram o evento em 19 de março, de sua data prevista em maio para o final de junho ou início de julho – datas fimes ainda não foram definidas.

ANÚNCIO

“Os diretores de ‘filmes’ são movidos pela idéia de exibir seus filmes em uma tela grande e compartilhá-los com outras pessoas em eventos como festivais, não para que seus trabalhos terminem em um iPhone”, disse Fremaux.

“Se todos os festivais forem cancelados, teremos que pensar em uma maneira de exibir filmes, para evitar desperdiçar um ano, mas não acho que uma alternativa precária e improvisada de Cannes ou Veneza – tão logo seja esquecida – seja a solução.”

Devido ao risco de pirataria, entre outras questões, é provável que surjam preocupações sobre direitos e janelas quando as iniciativas planejadas para festivais digitais começarem a ser lançadas ainda este ano.

Outros festivais compatilham da visão de Fremaux

A declaração de Fremaux ecoa os comentários de Alberto Barbera, Cartola do Festival de Veneza.

No fim de semana, ele jogou água fria na perspectiva de um elemento digital para Veneza e distinguiu esse festival do Festival Internacional de Cinema de Toronto, que é “um tipo diferente de festival”, de acordo com Barbera.

A recusa de Cannes em se tornar digital não é, obviamente, surpreendente.

Fremaux é um amante obstinado da tela grande – ele até recebe o Festival anual Lumiere de Lyon em homenagem aos pioneiros do cinema francês, os irmãos Lumiere.

O prestígio de Cannes

Cannes também construiu sua reputação de ser uma prestigiada plataforma de lançamento de filmes de todo o mundo, um modelo que funcionou com sucesso por décadas, como fez no ano passado com “O Parasita”, de Bong Joon-ho, que se tornou um sucesso comercial e conquistou quatro Oscars depois de ganhar a Palma de Ouro.

O festival também trabalha de mãos dadas com distribuidores e expositores franceses que estão bem representados no quadro do festival.

Apesar do bloqueio de três semanas na França, Fremaux sustenta que o festival continue com a seleção de filmes enquanto monitora a evolução da pandemia.

Já tendo causado 8.911 mortes na França, o coronavírus pode atingir um pico no país no início da próxima semana, de acordo com relatos locais.

Enquanto isso, os principais agentes de vendas que representam a maioria dos títulos em competição submeteram seus filmes ao comitê de seleção de Cannes, e as datas de inscrição foram estendidas por um mês e meio, disse o festival recentemente.

Cannes também tem o apoio total do prefeito da cidade, bem como do ministério da cultura francês, que anunciou terça-feira o lançamento de uma célula de apoio a festivais programados para 2020.

Traduzido e adaptado pela equipe SM

Fonte: Variety

ANÚNCIO